A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

11/07/2013 21:20

Senador Moka defende derrubada dos vetos de Dilma no Ato Médico

Nyelder Rodrigues
Senador sul-mato-grossense foi um dos que se posicionou contra os vetos (Foto: Arquivo)Senador sul-mato-grossense foi um dos que se posicionou contra os vetos (Foto: Arquivo)

Após a sanção, com vetos, da lei que regulamenta o exercício da medicina, chamado de Ato Médico, senadores já se mobilizam para derrubar os vetos presidenciais de Dilma Roussef.

Entre estes senadores está o sul-mato-grossense Waldemir Moka (PMDB), que é formado em medicina. Os vetos desagradaram a categoria, e também um grupo de senadores, composto por médicos e não médicos.

Moka afirmou ter ficado indignado com a decisão da presidente Dilma, apontando que haverá uma reação. Já o senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR), que também é médico por formação, lembrou que houve consenso para aprovação do projeto no Senado, e ainda assim pontos foram vetados.

A senadora Lúcia Vânia (PSDB-GO), uma das relatoras da matéria no Senado, lamentou os vetos presidenciais, que, segundo ela, mutilam inteiramente o projeto. Ela disse que o projeto foi acompanhado pelos ex-ministros da Saúde, José Gomes Temporão e Humberto Costa, atual senador.

Lúcia Vânia frisou, porém, que não obteve resposta do atual titular da pasta, Alexandre Padilha, a quem procurou para saber se o projeto influiria no SUS.

Dilma vetou dispositivos que estabeleciam como atividades privativas do médico a formulação de diagnóstico de doenças e a respectiva prescrição terapêutica, além da indicação do uso de órteses e próteses (exceto as próteses temporárias) e a prescrição de órteses e próteses oftalmológicas.

Na justificativa dos vetos, Dilma explica que o texto original inviabilizaria a manutenção de ações preconizadas em protocolos e diretrizes estabelecidas no Sistema Único de Saúde (SUS).

Ela também observa que os dispositivos impossibilitariam a atuação de outros profissionais que usualmente já prescrevem, confeccionam e acompanham o uso de órteses e próteses que, por suas especificidades, não requerem indicação médica.

(Com informações da Agência Senado)



A Saúde Pública deve muito à presidenta Dilma, pela sua visão de saúde a partir das diretrizes da Organização Mundial de Saúde, que são integradas e integradoras da vida, e não apenas ao conceito de doença; e sua coragem ao vetar artigos do Ato Médico, que contrariavam princípios do SUS, trazendo consequências danosas para a efetivação dos serviços públicos e prejudiciais para toda a população. A saúde é um direito. Lutamos para que haja financiamento, acolhimento e tratamento adequados. Não aceitamos mais, simplesmente, o modelo médico falido, que se sustenta na figura do médico, na medicação excessiva e nas sucessivas internações hospitalar. Para consolidação do SUS é importante colocar em prática a prevenção e a promoção em saúde, com ética e responsabilidade. Obrigado Presidenta.
 
Roges Carvalho dos Santos em 24/07/2013 19:06:36
A Saúde Pública no Brasil deve muito à presidenta Dilma, pela sua visão de saúde a partir das diretrizes da Organização Mundial de Saúde, que são integradas e integradoras da vida, e não apenas ao conceito de doença; e sua coragem ao vetar artigos do Ato Médico, que contrariavam princípios do SUS, trazendo consequências danosas para a efetivação dos serviços públicos e prejudiciais para toda a população. A saúde é um direito. Lutamos para que haja financiamento, acolhimento e tratamento adequados. Não aceitamos mais, simplesmente, o modelo médico falido, que se sustenta na figura do médico, na medicação excessiva e nas sucessivas internações hospitalar. Para consolidação do SUS é importante colocar em prática a prevenção e a promoção em saúde, respeitosas, dignas, assentadas em saberes e fazeres multiprofissionais, oferecendo ao usuário cuidados necessários, que venham ao encontro de uma educação popular em saúde, práticas coletivas, escuta ativa e humanização do SUS.
Obrigado Presidenta.
 
Roges Carvalho dos Santos em 24/07/2013 18:56:56
Não podemos confundir Saúde Pública com Medicina. A Saúde Pública é regulada pelo Ministério da Saúde. A Medicina pelos seus respectivos Conselhos Federal e Regionais. O Ato Médico, em muitos artigos, contrariava os princípios do SUS, chegando ao ponto de inviabilizar a saúde pública e conferindo à Medicina a detentora de saberes e fazeres sobre o diagnóstico nosológico e a prescrição terapêutica, reserva de mercado para os médicos, entre outros. Isso é um retrocesso.
Reconhecemos a importância da Medicina, mas não nos curvaremos diante da prepotência, desrespeito, arrogância de um único saber e fazer como referência em saúde, tornando as outras profissões de saúde, contidas, e inviabilizando que os profissionais façam seus respectivos diagnósticos e prescrições terapêuticas.
 
Roges Carvalho dos Santos em 20/07/2013 12:32:45
Sou cliente do SUS e concordo com o ATO MÉDICO, o médico e´o profissional mais capacitado para cuidar do paciente! e´obvio que o apoio multidiciplinar é importante também. Mas a importancia do medico é incontestavel!
 
Emerson Abrantes em 19/07/2013 23:25:22
Sim, é isto que o governo pensa, pensa que para o pobre qualquer coisa serve..mas a Dilma e o Lula se tratam com MEDICOS e no SIRIO LIBANES, mas para o pobre, para o pobre qualquer coisa serve, como se fossem cidadãos de segunda classe. Falta vergonha neste governo q só pensa em votos. Pois povo brasileiro, vcs serão os mais prejudicados pq a Dilma quer dar a voces qualquer coisa fingindo q está investindo na saúde Doze anos de governo PT e a saúde nunca esteve tão pobre! Agora querem remendar a coisa, fingir q estão preocupados com estas politicas ridiculas de importação de medicos ( vejam as regras antes de virem, é uma palhaçada) e tentam acabar com a carreira de médicos. Agora, eu, q não sou da área da saúde, posso prescrever e diagnosticar pq a lei abriu esta brecha perigosissima!!
 
Luciana Dionsio em 19/07/2013 20:49:25
Quem quer praticar atos médicos, vá fazer MEdicina, Claro, é mais fácil fazer outra faculdade e depois, querer sair por aí medicando e prescrevendo!! Uma vergonha o que tenho lido por í. Não sou médica e vejo tudo isto como um pesadelo! Falta bom senso neste governo ! Tentam golpear o Ministério Público, tentam golpear o STF , agora tentam golpear os médicos. Quem tentou fazer medicina e nao conseguiu, com seus recalques , agora tentam derrubar os médicos pq assim eles acham que os "médicos" vão ser eles!!! porque não estudaram para passar no vestibular de medicina?? e o que vcs tem contra pessoas que querem ganhar bem?? juízes atendem todo o Brasil mas ganham 25 mil reais por mÊs!! Quem não quer, hipócritas!!
 
Luciana Dionisio em 19/07/2013 20:42:33
Ilmo senador Moka, imgine-se com um AVC, precisando de fisioterapia, cuidados da enfermeira, administração de remédios, turnos de cuidados, acredita que só o médico faria tudo isso? não se faz necessário uma equipe multidisciplinar? A saúde é muito mais que médico, importante sim acredito, mas não é somente ele, é toda uma equipe, que em conjunto curam e as vezes até ressuscitam pessoas. Mas eu penso que o importante é para todos os profissionais de saúde, salários dignos, hospitais, estruturas fisicas e pessoas comprometidas com a sua profissão. Médicos não deveriam desviar suas atividades, deveriam estar presentes nos locais de trabalhos nos horários e dias contratados.
 
Elza Florentino em 18/07/2013 15:05:55
Estamos esquecendo que na área hospitalar existe um complexo de profissionais que compõem a Equipe Multiprofissional, onde cada profissional está preparado para exercer sua função com dignidade, engana-se quem acha que o médico é o único detentor do conhecimento da saúde, que atualmente peca com faculdades despreparadas para dar suporte aos residentes, que hoje não tem o suporte do professor doutor que está ocupado nas atividades de pesquisa e o residente fica a disposição do plantonista que nem sempre é qualificado para ensinar, penso que o conselho de medicina deveria se preocupar com a qualidade das faculdades de medicina, e permitir que todos trabalhem com dignidade, sem profissionais como Enfermagem, fisioterapeuta, etc, não existe atendimento com qualidade senhores SENADORES.
 
Rissato Maria Lúcia em 15/07/2013 20:27:33
É engraçado como tem tantos médicos na politica e a saúde continua uma porcaria: pobres morrendo nos corredores de hospitais. Existem médicos que aprovam os vetos da Dilma. Pra quem é ignorante saiba que enfermeiros e outros profissionais não farão papel de médico, graças ao vetos esses profissionais continuaram atuando em prol da saúde, se o ato medico fosse aprovado sem vetos tudo que psicólogos, enfermeiro etc. fosse fazer iria ter de passar pela autorização de um medico, pra quem não sabe o fato do medico estudar medicina não o torna um Deus da saúde ele não estudou psicologia, nutrição, e etc, há procedimentos da enfermagem que médicos não saberiam como fazer. alguns médicos querem é reserva de mercado, monopolizar a saúde mesmo que isso custe a saúde da população.
 
Jhon Caldeira em 15/07/2013 10:18:43
O maior golpe já dado neste pais.
O ato médico foi inspirado na exclusividade que os médicos tem na saúde visual deste país.
O decreto lei de 1932, que da a exclusividade da prescrição de lentes a figura do médico, transformou estes em bilionários, eles comercializam lentes dentro do próprio consultório, cobrando pelas mesmas valores astronômicos, sejam lentes intra ocular ou lentes de contato, sem pagar um tostão de impostos, abriram óticas em nome de familiares ou laranjas, quando não tem ótica cobram comissão pela indicação de óticas, chegando 35% dos óculos. Quem paga por isso? O pobre do consumidor.
Você imagina como vai ficar a saúde se todas as especialidades da medicina tiverem o mesmo monopólio?
 
Nilson Marques Cardoso em 15/07/2013 09:18:03
Muito bem, senhor senador, mas quando o senhor estiver passando mal no leito de um hospital pela madrugada chame um médico tá, pois a enfermagem não vai lhe servir até o senhor dar o devido valor...
 
Celso Maciel em 13/07/2013 10:31:55
Ilmo Senador Moka, os médicos com representantes na política querem monopolizar a saúde, isso não é justo, tem tantos profissionais da saúde comprometidos com a saúde, que ficariam cerceados em seus trabalhos, pois dependeriam dos médicos, para atuarem na sua área em saúde, é justo? Lembrar-me-ei disso e compartilharei com os eles, deste assunto quando vier as eleições. Votaremos em pessoas que nos represente e não nos cerceem neste país. O senhor devia somar na saúde, pois lá nós precisamos de médicos comprometidos em sua profissão.
 
Elza Florentino em 12/07/2013 19:08:33
Eu sou usuário do SUS. Eu quero médico bem remunerado, trabalhando em locais bem equipados e trabalhando satisfeito e que eu tenha atendimento adequado.
Será que nós, pobres, somos seres de segunda classe, para sermos atendidos por enfermeiros, fisioterapeutas, massagistas, ortópticos ( nada contra estes profissionais) que vão nos atender, dar diagnósticos e receitar medicamentos e até indicar órteses, próteses e quem sabe cirurgias? Imagine você no pronto socorro sendo atendido por não médico?
A minha vida, pelo menos vale muito...gostaria de ser atendido por quem tem competência e que estudou para isso. Não me trate como mais um da boiada
 
Vera Watanabe em 12/07/2013 15:40:29
É pois vossa excelência quer voltar ao exercício da medicina!
 
Admir cristaldo em 11/07/2013 23:13:37
Ilmo senador Moka, hoje podemos ver que a classe médica que possui representantes na política quer monopolizar a saúde, uma classe que não pensa nas pessoas mas sim em ganhos exorbitantes "exemplo da operação sangue frio", mesmo assim querem fazer mais monopólio, pois não é o suficiente. Vou lembrar desta matéria nas eleições e também vou compartilhar com todos os profissionais da área da saúde que não são médicos, me desculpe, pois a área da saúde é somente representada pelos médicos.
 
Paulo Silva em 11/07/2013 22:15:41
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions