A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 14 de Dezembro de 2018

20/02/2018 14:35

Senadores de MS apoiam intervenção no Rio "que não esqueça fronteira"

Parlamentares querem 'blindagem' contra tráfico de drogas e armas

Kleber Clajus
Waldemir Moka, Simone Tebet e Pedro Chaves são favoráveis a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro (Fotos: Jefferson Rudy/Marcos Oliveira/Agência Senado)Waldemir Moka, Simone Tebet e Pedro Chaves são favoráveis a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro (Fotos: Jefferson Rudy/Marcos Oliveira/Agência Senado)

Os senadores de Mato Grosso do Sul votam, nesta terça-feira (20), decreto de intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro. Há consenso favorável sobre a medida que deve ir ao plenário, em sessão extraordinária, a partir das 18h (Horário de Brasília).

Pedro Chaves (PRB), que tem sido cotado para relatar o projeto no Senado, disse que "não adianta ver a questão como algo isolado. O caos que ocorre nos grandes centros esta ligado a falta de proteção das fronteiras e também da necessidade urgente de medidas que dêem mais amparo jurídico para que a polícia enfrente o crime organizado".

Waldemir Moka e Simone Tebet (MDB), também são favoráveis a medida, ressaltando que as fronteiras não devem ser esquecidas no processo por serem caminho de entrada das drogas e armas que abastecem as organizações criminosas com atuação no Rio de Janeiro.

“Por isso, vamos buscar o compromisso do Executivo para fortalecer a fronteira com a real implantação da Política Nacional de Segurança Pública. Aliás, as forças armadas têm como dever proteger a fronteira do País. Não adianta estar só nas grandes metrópoles”, ressaltou Simone a Rádio Senado. "É preciso fazer esta intervenção com equilíbrio e moderação".

Diante da cobrança de investimento na segurança das fronteiras o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, declarou no sábado (17) que o Ministério da Segurança Pública irá realizar ações planejadas e não uma intervenção. A estrutura ainda deve ser criada.

Trâmite - Aprovado durante a madrugada pela Câmara dos Deputados, por 340 votos a 72 (com uma abstenção), o decreto de intervenção federal no Rio de Janeiro necessita do voto favorável da maioria simples dos senadores, ou seja, devem estar presentes no plenário 41 dos 81 parlamentares. O relator será designado pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), momentos antes da votação e deve ser favorável a medida.

Com o relatório elaborado, cinco senadores que apoiam ou rechaçam a intervenção podem se inscrever para falar sobre o assunto na tribuna por 10 minutos cada um. A votação ocorre na sequência, tendo os petistas já declarado ser contrários a medida.

Na prática, assim que confirmado pelos senadores, o decreto transfere o comando da Polícia Militar, Civil, Corpo de Bombeiros e administração penitenciária do Rio de Janeiro ao general do Exército Walter Braga Netto, que lidera o Comando Militar do Leste. O mesmo responderá diretamente ao presidente Michel Temer (MDB) sobre as ações empregadas, a princípio, até 30 de dezembro.

A intervenção federal nos estados é prevista na Constituição, mas nunca havia sido adotada. O presidente justificou seu uso para "conter grave comprometimento da ordem pública", mas não há definição clara de como será realizada ou sobre financimento complementar federal.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions