A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

12/05/2016 12:12

Servidores lotam Câmara em dia de votação de reajuste salarial

Fernanda Mathias e Alberto Dias
Servidores acompanham em massa a votação do reajuste salarial (Foto: Fernando Antunes)Servidores acompanham em massa a votação do reajuste salarial (Foto: Fernando Antunes)

A Câmara Municipal de Campo Grande está lotada nesta quinta-feira (12), dia de votação de reajuste salarial dos servidores municipais. Estão no local funcionários municipais ligados ao Sisem, que representa administrativos da educação e agentes comunitários de saúde, além de professores e odontólogos.

O prefeito, Alcides Bernal (PP), enviou hoje à Câmara um substitutivo ao projeto original, com reajuste linear de 3,31% a todos os servidores municipais, já considerando a inflação do período transcorrido.

Durante os discursos, chegou à Câmara o projeto de Lei que estabelece o reajuste dos professores, mas seguirá para Consultoria Jurídica e não deve ser votado hoje.

Na tribuna, o presidente da ACP (Sindicato Campograndense dos Profissionais da Educação), Lucílio Souza Nobre, reiterou o acordo feito com o prefeito Alcides Bernal, de 3,31% de reajuste, índice que não é considerado ideal pela categoria, mas contempla parte da Lei do Piso com o restante do reajuste pleiteado para o ano que vem. Lucílio ponderou que quer ler o projeto e checar se estão contemplados todos os temas acordados. 

Já o presidente do SISEM (Sindicato dos Servidores Municipais de Campo Grande), Marcos Tabosa, pediu aos vereadores uma emenda ao artigo 1º do projeto enviado pelo Executivo alterando o reajuste de 2,79% para 9,57% que era proposta inicial da Prefeitura. O pedido será analisado.

 

Uma hora antes, em agenda da Kepler Weber, o prefeito disse ao Campo Grande News que não irá “infringir a lei eleitoral” e que o “legislativo não pode onerar o município”.

Outra categoria presente e que tem exigências é a de odontólogos. Eles pedem equiparação aos médicos, que ingressaram com projeto salarial para enquadramento da categoria em nível 17. A alegação é que os profissionais de odontologia assumem as mesmas responsabilidades civis e que as profissões são legalmente vinculadas. Ao todo são 330 servidores municipais nesta área.

Histórico - O projeto de reajuste linear para o funcionalismo municipal foi votado em 5 abril, na sessão subsequente à entrega dele na casa de leis. No dia, entidades ligadas aos administrativos da educação, guardas municipais e enfermeiros foram à Câmara para pedir por melhorias – somente o Sisem (Sindicato dos Servidores Municipais) reivindicava alteração no índice para 11,06%, o que travou a discussão.

Em virtude das divergências, os vereadores suspenderam a sessão, retomando-a à noite, quando decidiram barrar o projeto. Dia 5 era o último prazo para a tramitação do reajuste, de acordo com a regra eleitoral. Com o projeto rejeitado, o prefeito disse que não poderia conceder tal percentual, baixando-o para 2,79%.

 

Reajuste de 22 mil servidores municipais será votado hoje pelo Legislativo
A Câmara Municipal votará na sessão desta quinta-feira (12) o reajuste dos 22 mil servidores municipais de Campo Grande. Conforme a assessoria da cas...
Temer diz que adiamento da reforma da Previdência foi 'ótimo' para ganhar votos
O presidente Michel Temer procurou mostrar otimismo ao falar sobre a reforma da Previdência ao dar posse ao deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) c...
Diretor da PF entrega ao STF relatório de investigação sobre ministros
O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, entregou hoje (15) à ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), um re...
TRE realiza plantão para cadastramento biométrico neste sábado na Capital
O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) realiza neste sábado mais um plantão para atender eleitores de Campo Grande que ainda nã...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions