ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 23º

Política

TCE aprova contas de Puccinelli, mas faz ressalva e recomendações

Lidiane Kober | 03/06/2015 18:03
Marisa acompanhou o voto de Chadid, relator do parecer (Foto: Fernando Antunes)
Marisa acompanhou o voto de Chadid, relator do parecer (Foto: Fernando Antunes)

Por unanimidade, o TCE (Tribunal de Contas do Estado) aprovou, nesta quarta-feira (3), as contas do último ano da gestão do governador André Puccinelli (PMDB). O pleno, no entanto, apontou cinco ressalvas e fez recomendações para corrigir as “impropriedades”.

Entre as observações, o conselheiro relator das contas do exercício de 2014, Ronaldo Chadid, listou o remanejamento de dotações sem previsão expressa na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias). Também pontuou sobre déficit orçamentário no montante de R$ 391.065.395,58, “evidenciando um desequilíbrio na execução de receitas e despesas”.

Outra ressalva aponta o não cumprimento das Metas Fiscais de Resultado Primário e de Resultado Nominal, fixadas pela Lei de Diretrizes Orçamentárias, além da divergência no saldo da dívida ativa entre o valor contabilizado no balanço patrimonial e no informado pela Procuradoria Geral do Estado.

Por último, Chadid citou a reversão da contabilização do passivo atuarial (provisões matemáticas previdenciárias) do Regime Próprio de Previdência Social dos servidores públicos estaduais.

Nas recomendações, o relator repetiu observação da conselheira Marisa Serrano, no exercício de 2013, e apelou para a despesa com ações e serviços de saúde respeitar o Fundo de Saúde “e não outras unidades administrativas, que não aquelas ligadas à atividade-fim e pela não utilização de dispositivos da Lei nº 2.261/2000 (Lei do Rateio), para que a composição das ações e serviços públicos de saúde atenda ao disposto na Lei Complementar nº 141/2012 para o exercício 2015”.

Pela famosa Lei do Rateio, sob judice e em análise no STF (Supremo Tribunal Federal), o governo pode contar como gasto em saúde, por exemplo, investimentos em ação social e até propaganda para divulgar ações no setor.

Chadid também cobrou para ser “inserida na LDO a disposição expressa para autorização de remanejamentos, transposições e transferências orçamentárias, para que não haja dúvidas quanto à possibilidade de sua realização pelo Executivo”. Além disso, pediu para “que se observe o limite nominal da receita para abertura de créditos adicionais por excesso de arrecadação previsto na LOA” e apelou por “mecanismos no sentido de tornar mais efetivo o recebimento da dívida ativa do Estado”.

Monitoramento - Em declaração de voto em separado, o conselheiro Iran Coelho sugeriu a retirada do parecer trecho sobre deficiência no monitoramento das contas. O sistema ainda está em processo de implantação entre o TCE e o governo. “É uma informação interna, não é o local (no parecer) apropriado para constar isso”, justificou.

Marisa manifestou preocupação com a possibilidade de a exclusão abrir brecha para o próximo governo considerar que o monitoramento não é obrigatório. Coelho, por sua vez, afastou a hipótese e repetiu se tratar apenas de uma observação técnica. Segundo a assessoria do TCE, o monitoramento só não funcionou por completo justamente por ainda estar em processo de implantação.

Nos siga no Google Notícias