ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 21º

Política

Tereza Cristina representará ruralistas em conciliação com indígenas no STF

Debate sobre demarcação de terras indígenas também volta a ser pautado na CCJ do Senado Federal

Por Gabriela Couto | 10/07/2024 09:27
Senadora Tereza Cristina (PP) durante participação da reunião da Comissão de Assuntos Econômicos, nesta terça-feira (9) (Foto:Edilson Rodrigues/Agência Senado)
Senadora Tereza Cristina (PP) durante participação da reunião da Comissão de Assuntos Econômicos, nesta terça-feira (9) (Foto:Edilson Rodrigues/Agência Senado)

A senadora Tereza Cristina (PP) foi escolhida pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para representar a Casa de Leis na mesa de conciliação do STF (Supremo Tribunal Federal). A primeira reunião com o ministro da Suprema Corte, Gilmar Mendes, está marcada para o dia 5 de agosto.

Além de Tereza, que representará os ruralistas, também foram escolhidos para participar da negociação o líder do governo do Senado, Jaques Wagner (PT-BA) e a advogada-geral do Senado, Gabrielle Tatith Pereira.

Paralelamente a essa decisão, nesta quarta-feira (10) a PEC (Projeto de Emenda Constitucional) que visa inserir o princípio do marco temporal na Constituição Federal, de autoria de Dr. Hiran Gonçalves (PP-RR) está na pauta da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça). Segundo a PEC, os povos indígenas só poderão reivindicar terras que estivessem sob sua posse ou em disputa até a data da promulgação da Constituição, em 5 de outubro de 1988.

No entanto, Pacheco afirma estar otimista com um possível consenso entre as partes por intermédio do STF.

“Eu estou muito entusiasmado com a iniciativa do STF de, ao invés de só decidir pela inconstitucionalidade do que decidimos aqui, poder inaugurar a conciliação e composição.  A PEC é uma iniciativa respeitável do senador Dr. Hiran, que é um excelente senador, está na pauta da CCJ, mas nós temos neste momento que buscar a solução. E a solução se dá agora sobre a aferição de cada caso concreto, sentando à mesa os representantes indígenas, os setores produtivos e as instituições do país para poder resolver esse problema”, disse.

O marco temporal foi estabelecido pela Lei 14.701, de 2023, mas sua constitucionalidade já é contestada no STF por meio de ações de inconstitucionalidade. Diante disso, os legisladores favoráveis à regra buscam sua inclusão no texto constitucional.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.


Nos siga no Google Notícias