A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

01/12/2009 21:14

TSE decide pela cassação de direitos políticos de Cintra

Redação

O ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Arnaldo Versiani, relator do processo que aplica multa de R$ 10 mil e torna inelegíveis por três anos o prefeito Nelson Cintra (PSDB) e sua vice Rosângela Baptista (PMDB), negou hoje o pedido de agravo interposto por Ronaldo Braga, advogado do prefeito de Porto Murtinho, e decidiu manter o pedido de cassação dos direitos políticos do tucano.

A decisão de Versiani foi aprovada por unanimidade pelos ministros Fernando Gonçalves, Marcelo Ribeiro e Cármen Lúcia. Ausente, ocasionalmente, estava o ministro Ricardo Lewandowski.

O advogado de Cintra entrou com agravo regimental para tentar modificar a decisão de inelegibilidade de Cintra. Como o procedimento não foi acatado, Ronaldo Braga deve encaminhar recurso extraordinário ao STF (Supremo Tribunal Federal) para que analise o processo.

Cintra e Rosângela são acusados, especificamente neste caso, de usar a máquina pública para fins eleitorais por meio de concessão de folgas a servidores, realização de manifestações de rua com veículos do município e divulgação de propaganda oficial da prefeitura com promoção pessoal e política do prefeito.

Por conta disso, o juiz eleitoral de Porto Murtinho, Giuliano Martins, decidiu aplicar multa de R$ 10 mil e tornar inelegíveis por três anos os dois parlamentares.

Nelson Cintra foi reeleito com 12 votos de diferença sobre o adversário, Heitor Miranda dos Santos (PT), que recorreu da decisão local e entrou com recurso junto ao TSE. Na sessão do dia 3 de novembro, Versiani, relator do processo, negou seguimento ao recurso impetrado pelos advogados do prefeito tucano.

Caso Cintra perca o mandato, o cargo deverá ser declarado vago pela Câmara, cujo presidente é o vereador Elias Leite (PSDB). Ele seria o substituto provisório até que a Justiça Eleitoral convocasse novas eleições.

Conforme o líder do PT na Câmara de Porto Murtinho, vereador Carlos Heitor Santos da Silva, a lei orgânica do município, em seu artigo 83, declara que a Casa de leis deve declarar a saída do prefeito quando ele perder seus direitos políticos.

"A Câmara esperará parecer do TSE informando o TRE [Tribunal Regional Eleitoral] sobre quais os procedimentos que deverão ser seguidos. Com isso, será realizada votação entre os vereadores para decidir se Nelson Cintra deve ou não sair do cargo", explica Carlos Heitor.

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions