A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

21/06/2013 07:40

MST faz protesto por assentamento e paralisa BR-163 próximo a Anhanduí

Leonardo Rocha

O MST (Movimento Sem Terra) está realizando protesto desde as 6h na BR-163 próximo ao distrito de Anhanduí. Eles fecharam a via e já geraram um congestionamento de 12 km no local. De acordo com informações apuradas pela reportagem, a manifestação irá se estender por toda manhã em função do atraso da entrega do assentamento na fazenda Nazaré e da falta de infraestrutura disponível para o local.

De acordo com a coordenadora do MST, Tiliana Bruneto, aproximadamente 97 famílias estão no local e esperam que o Incra/MS (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) finalize o processo de assentamento na fazenda Nazaré. “Já foi confirmado à desapropriação, o recurso já está disponível, mas a questão ainda está parada, esta manifestação tem o objetivo de pressionar o poder público”, destacou ela.

Bruneto ainda destacou que os assentados solicitam infraestrutura no local, pois segundo ela, os manifestantes ficam deixados sem condições nos assentamentos. “Estas questões são essências para que as famílias possam permanecer no local”, explicou. Os manifestantes também aproveitam para reivindicar ao governo federal que este “priorize” as questões essências do país e deixe de disponibilizar recursos para grandes eventos.

Histórico – No dia 7 de julho o Incra/MS (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) protocolou nesta tarde, ação de desapropriação de área de 2,4 mil hectares, após três anos sem poder realizar reforma agrária em Mato Grosso do Sul. A entidade estava suspensa de atuar desde os escândalos da Operação Telos, da Polícia Federal, realizados em 2009, que desarticulou um esquema de compra e venda de terras que seriam voltadas a reforma agrária.

A primeira ação será na fazenda Nazaré, localizada em Sidrolândia, ela irá comportar 187 famílias, em uma área de 24 mil hectares. O proprietário, o ex-secretário estadual que atuou na gestão de Wilson Barbosa Martins, Plínio Rocha, aceitou a proposta da entidade e não vai recorrer da decisão. O ex-secretário irá receber R$ 16,4 milhões pela área.



MST é uma parte do câncer dessa nação que se Deus quiser sera eliminado, o Brasil não terá mais espaço para chupins e invasores, baderneiros.. Pode até ter gente bos nesses movimento de sem terras mais é muito poucos porque o resto são gente trambiqueira que esta la porque só quer o que é dos outros ou se escondendo de alguma coisa errada... A justiça por exemplo!!!
 
carlos lima em 21/06/2013 11:26:33
E o povo que se dane! A baderna tomou conta do país. Cada movimento faz o que quer,do jeito que quer e onde quer. As autoridades e o Poder Público, Ministério Público,PM,Força Nacional, não estão nem, aí.
A PRF só é eficiente na hora de multar o cidadão por excesso de velocidade, de resto esses desocupados fazem o que bem entendem." O sagrado direito de ir e vir do cidadão" foi prás cucuias. Virou uma baderna geral.
Rasguem esse lixo de Constituição, pois não serve para nada!
Esse país realmente é uma piada...! Só um PINOCHET resolve esse país!
 
arnobio luiz em 21/06/2013 11:09:42
Ou seja, toda sociedade paga para essa ineficiência chamada reforma agrária. Gasta-se milhões pra assentar um pessoal que fica pouco tempo e a maioria vende os lotes, os que ficam não conseguem sobreviver só da produção porque a economia de escala é ridícula, e além de tudo ainda fazem palhaçadas como essa de atrapalhar a vida dos outros impedindo o direito de ir e vir das pessoas. A reforma agrária é um câncer no país, isso tem que acabar.
 
Augusto Araújo em 21/06/2013 09:49:24
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions