A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

09/01/2015 15:19

No dia que os bichos foram à cidade e deram um “baile” na PMA

Luciana Brazil
Tamanduá surpreende moradores na Capital. (Foto: Direto das Ruas)Tamanduá surpreende moradores na Capital. (Foto: Direto das Ruas)

Só nesta quinta-feira (8), a PMA (Polícia Militar Ambiental) capturou oito animais silvestres em Campo Grande, alguns em locais inusitados. O dia foi, literalmente, em que os bichos invadiram a cidade e deram muito trabalho aos policiais ambientais da Capital.

Veja Mais
Tamanduá entra em casa, sobe no sofá e assusta moradores da Capital
Tamanduá invade casa e muda manhã de família no Nova Campo Grande

Além do tamanduá-bandeira flagrado no sofá de uma residência, no Jardim Noroeste, os policiais resgataram duas capivaras, uma no quintal de uma empresa e outra bem perto de uma casa e ainda uma coruja no pátio do Detran, uma arara em uma casa, no Jardim Novo Aeroporto, um periquito que caiu do ninho, um gavião e também uma maritaca.

Por dia, a PMA recebe, em média, oito solicitações de resgate de animais silvestres e domésticos. No entanto, essas ações são, em 90% dos casos, de aves pequenas. Frequentemente, esses animais já estão próximos ao habitat natural e são apenas encaminhados novamente à natureza.

De acordo com o major Edmilson Queiroz, essas constantes “aparições” acontecem porque, além das reservas naturais, Campo Grande possui muitas áreas florestadas por fauna, algumas com mais de 180 hectares, como a Nascente do Segredo, no Jardim Noroeste. “Existem muitas reservas na cidade, o que faz com que os animais estejam cada vez mais próximos da população”, afirmouAinda ontem, a PMA recebeu uma denúncia de maus tratos a um cachorro que acabou resgatado.

Conforme o major, a PMA disponibiliza uma viatura para realizar os resgates de animais, no entanto, ele ressalta que o papel constitucional da unidade é a prevenção. Queiroz explica que se fossem disponibilizadas mais equipes o trabalho de prevenir desmatamentos ilegais, tráfico de animais, caça e pesca predatória, entre outros crimes, seria prejudicado.

“Às vezes, a caça de um animal, o tráfico e outras coisas causam comoção, porém, quantos animais morrem, quantos ninhos são destruídos em um desmatamento ilegal de 10 mil hectares? Quanto a fauna diminuirá pela destruição do habitat, que é maior causa de perda de biodiversidade? Por isso, a prevenção é fundamental”, afirmou.

Por causa da quantidade de ocorrências, o major afirmou que a população precisa ter “paciência e compreensão” já que a demora no resgate pode ser inevitável. “Também compete à coletividade a proteção dos animais, de acordo com a constituição”, pontuou.

O major disse ainda que a população deve evitar a aproximação de animais que ofereçam riscos, como os grandes mamíferos e animais peçonhentos.

Confira o vídeo de resgate de uma capivara.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions