A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

19/01/2018 13:06

Do café à soja, uma Nação-moleque?

Por Valdemir Pires (*)

Em geral não é verdade histórica que os gastos do governo travam a economia no Brasil. Uma série histórica longa, com dados cruzados do desenvolvimento nacional (taxa de crescimento do PIB e do emprego, situação das contas públicas, condições das contas externas, inflação etc.) pode confirmar o equívoco da afirmativa de que o Estado atrapalha a economia em casos como o nosso. Essa afirmativa é, na verdade, um lugar-comum liberal-tupiniquim, contraído por conveniência ou pregiça, desprovido de fundamento teórico e empírico, no mais das vezes; não raro serve para esconder interesses que não podem vir a público.

Não obstante não se tenha, no país, governos dignos de elogio quanto à qualidade do gasto público, é mais comum que o travamento da economia, por aqui, resulte na interdição dos investimentos públicos, que costumam, em economias como as “emergentes” (antes “subdesenvolvidas”) melhorar o desempenho econômico e as expectativas dos agentes econômicos. Faltando esses investimentos, o “mercado” (assim chamado, e entendido como ente abstrato) é incapaz de se virar sozinho, mesmo de mãos dadas com o “Mercado”, constituído pelos conglomerados industriais e financeiros que eventualmente para cá remetem seus capitais, produtivos ou especulativos, conforme as vantagens de cada momento.

Numa economia reflexo-condicionada dos mercados mundiais (principalmente financeiros e de commodities), que só recentemente adquiriu alguma autonomia, ainda rescendendo a café, as finanças públicas dependem do crescimento econômico e não o contrário: maior o crescimento do PIB, maior a arrecadação de tributos, maiores as possiblidades de gastos públicos, que, por sua vez, ampliam as possibilidades de crescimento. Basta uma crise externa (como a do petróleo dos anos 1970, a da dívida nos anos 1980 e a atual, da especulação financeira global, iniciada em 2008) para que a bola de neve passe a rolar no sentido contrário, sufocando o desenvolvimento e, junto, as finanças públicas.

Por isso, é fundamental rechaçar a ideia, hoje esposada pelo governo federal e por grande parte das lideranças empresariais do país, com amplificação pelos meios de comunicação de massas, de que a origem de todos os males da atual crise está nos gastos públicos. Pelo contrário, está na recusa em admitir o papel estratégico que o Estado tem para o futuro do país: definitivamente, tudo que concorrer para dificultar a retomada do crescimento (aí incluídas as políticas econômicas exclusivamente voltadas para o equilíbrio fiscal via cortes de gastos e/ou aumento de tributos regressivos) levará o Brasil para um atoleiro de onde terá muita dificuldade para sair.

A solução está, não se tenha dúvidas, num projeto de desenvolvimento nacional em que o Estado e as forças produtivas do país combinem estratégias, recursos e esforços para reencontrar o rumo e o ritmo de crescimento experimentado nos anos dourados de 2003 a 2010. Nesse período foram aproveitadas oportunidades de crescimento oferecidas pela economia global e obtidos superávits fiscais (via aumento da arrecadação e não por meio de cortes de gastos) suficientes para honrar a dívida pública e, paralelamente, bancar políticas públicas de desconcentração de renda. Foi, esse sim, um “milagre econômico” – pela primeira vez a desconcentração de renda foi explícita e publicamente assumida, com impactos visíveis sobre a configuração de um amplo mercado interno, inclusivo. Abandonar essa estratégia ante o primeiro “passa-moleque” de quem se sente ameaçado pelas novas possibilidades é atitude, de fato, de moleque.

Nenhuma Nação-moleque sobreviverá às pressões globais, a não ser como quintal, repleto de senzalas ao redor de pouquíssimas casas-grandes, rescendendo a soja.

(*) Valdemir Pires é professor da Faculdade de Ciências e Letars da Unesp de Araraquara.

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions