A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2017

26/05/2015 16:28

A crise não é nossa

Campo Grande saiu na frente no combate ao desequilíbrio das contas públicas

Por Gilmar Olarte (*)

“O dinheiro acabou.” A declaração do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, feita na segunda-feira (26), é um retrato fiel da economia brasileira, que reflete nos Estados e, em consequência, nos municípios. É preciso reorganizar a economia brasileira, ajustar as contas públicas diante dos problemas gerados pela queda da arrecadação. Há necessidade de um “ajuste estrutural porque mudaram as condições da economia brasileira”, disse o ministro.

Qualquer semelhança com o que vem ocorrendo em Campo Grande não é mera coincidência. Nossa cidade não é diferente dos demais municípios brasileiros. Vivemos uma crise de arrecadação e de custeio. Vivemos uma crise nacional. Não é à toa que o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, anunciou o contingenciamento de R$ 69,9 bilhões no Orçamento de 2015.

De nada adianta procurarmos culpados nesta história, embora tenhamos sido vítimas de “ajustes” fiscais que nos tiraram cerca de R$ 200 milhões neste ano. O que importa agora é tomarmos medidas duras para fazer frente à crise, combatê-la e, em médio e longo prazo, vencê-la.

Aqui em Campo Grande saímos na frente nesta luta, assegurando ações contundentes para frear o desequilíbrio financeiro, mesmo diante de críticas mordazes de quem não está preocupado com a cidade, mas sim em implantar a política do quanto pior melhor, uma política de terra arrasada. A minha gestão não aceitará este tipo de chantagem.

Por isso tomamos medidas que, em um primeiro momento, soam impopulares, mas que são essenciais para garantir a reordenação das contas do município. A exoneração de algumas centenas de funcionários comissionados e contratados é uma delas. Estamos cortando na carne, diminuindo a estrutura de pessoal ao mínimo possível, sem prejuízo no atendimento à população. Só em maio a economia gerada com estes cortes chegou a R$ 12 milhões ao mês.

Adotamos, também, critérios que não implicassem em demissões, nem comprometessem o funcionamento de serviços essenciais. A redução das gratificações dos aproximadamente 870 comissionados e 306 servidores efetivos com cargos de chefia foi um deles, e garantiu uma economia de R$ 3 milhões mensais.

A otimização dos plantões eventuais dos médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem – novamente, sem que isso gerasse prejuízo ao atendimento à população – aliada à redução dos incisos de remuneração para apenas um por servidor, conforme recomendação do Conselho Municipal de Saúde, também gerou economia de aproximadamente R$ 5 milhões por mês.

Na educação houve a necessidade de substituição de 220 professores com horas/aulas complementares, ocupando funções administrativas, por servidores técnicos de nível superior gerando economia mensal de R$ 1,1 milhão.

Todas estas medidas – e outras que estão sendo estudadas – vão garantir que a folha de pagamento de maio seja paga até o 5º dia útil de junho, como prevê a lei, além de assegurar a manutenção dos gastos de pessoal próximo do limite prudencial (que é de 51,3%), fixado pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Estamos, novamente, contrariando as expectativas daqueles que apostam no caos.

Apesar de tudo isso estamos trabalhando no intuito de oferecer à população os serviços básicos com qualidade e pontualidade. A Prefeitura não está paralisada. Ações importantes para a cidade, como a pavimentação de dezenas de bairros – em especial o Nova Lima – estão em andamento ou para serem iniciadas.

Obras de vulto, como a dos corredores viários e a construção do viaduto na rotatória das avenidas Gury Marques e Interlagos vão resolver um dos gargalos do nosso sistema viário. Intervenções para o controle de enchentes e a urbanização das margens do Rio Anhanduí vão solucionar um antigo problema da cidade.

Na área da saúde vamos entregar novas Unidades Básicas e de Pronto Atendimento nas Moreninhas, Jardim Leblon e Santa Mônica. Estas são apenas algumas das iniciativas que temos tomado. Há muito a ser feito e estamos trabalhando com afinco.

O problema está resolvido? Não. Haverá necessidade de mais ajustes? Sim.

Não há irresponsabilidade maior do que transformar a crise em um embate com vistas às eleições de 2016.

O momento é de união por Campo Grande.

(*) Gilmar Olarte é prefeito de Campo Grande. 

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions