A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 19 de Junho de 2018

21/11/2017 08:20

A dedicação que fez a diferença

Por Francisco Habermann (*)

Em Botucatu-SP, a chegada em 1963 da antiga Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas (FCMBB) se fez pela dedicação de muitos. Seu estabelecimento como unidade de ensino de Ciências, entretanto, dependeu de vários pioneiros. O primeiro deles, sempre lembrado como fundador emérito, foi o Professor Mário Rubens Guimarães Montenegro ( 1923 - 2005 ). A partir de seu empenho contínuo - junto à equipe de professores que o acompanhou - aquela Faculdade pode se desenvolver. As áreas de Biologia, Medicina Veterinária, Medicina Humana e, a partir de 1965 também a área de Ciências Agrárias, se desenvolveram em seus primeiros anos com muita luta. Em cada uma daquelas unidades universitárias pontificaram ilustres professores pioneiros sempre homenageados pela dedicação exemplar.

Na área de formação médica, episódios de heroísmo ímpar foram protagonizados conjuntamente pelos diretores, professores, funcionários, enfermagem e alunos. Uma das fases vencidas pela comunidade universitária daquela época foi a instalação do Curso de Aplicação em Medicina a partir de 1965, realizado nas dependências da Misericórdia Botucatuense para os alunos da primeira turma e as subsequentes, sob a coordenação do Professor José Eduardo Dutra de Oliveira.

Somente a partir de 1967 é que houve condições administrativas de oficializar o uso das dependências do prédio do Hospital das Clínicas, cuja primeira enfermaria com quinze leitos fora inaugurada naquele mesmo ano.

Foi sob a direção do incansável pioneiro, o Professor Álvaro Oscar Campana ( 1931 - 2016 ) que se fundou o Departamento de Clínica Médica em 08 de novembro de 1967, juntamente com a dedicação de uma equipe que aplicou o melhor de suas vidas àquela Faculdade de Medicina.

Com estas iniciativas administrativas pioneiras, concretizadas com tanto sacrifício por parte de todos – professores, funcionários, técnicos, alunos, enfermagem, médicos, biomédicos, biólogos e outros especialistas - o seguimento evolutivo do Departamento pontificou. Sobretudo, apontou para as ampliações contínuas e futuras do ensino, pesquisa, assistência, extensão universitária e administração, constituindo verdadeiro pilar de sustentação científica e médica, dignificando sempre a nossa instituição ligada à UNESP desde 1976.

Vale ressaltar que a evolução do Departamento de Clínica Médica se deveu a valorosos pioneiros que assumiram continuamente a responsabilidade de oferecer o melhor de si para a Ciência Médica – o que vem sendo mantido pelos dignos continuadores desta honrosa tarefa universitária, refletida nos índices de sua produtividade acadêmica. Integrado com outros departamentos desta Faculdade de Medicina-UNESP, contribui, certamente, com o admirável índice recorde ( 2017) de escolha dos vestibulandos/por vaga: 312,7. Parabéns a todos.

(*) Francisco Habermann (fhaber@uol.com.br) é docente aposentado da Disciplina de Nefrologia, Departamento de Clínica Médica da FMB-UNESP. Ex-aluno da Turma Pioneira da FCMBB (1963-1968).

A carne mais barata do mercado é a carne negra
Os números apresentados pelo Atlas da Violência de 2018 mostram a agudização nas tendências do perfil de assassinatos cometidos no Brasil: a vítima é...
O impacto da arte
Campo Grande foi agraciada neste fim de semana com um espetáculo de dança-teatro que, certamente, é digno de ser apresentado nas maiores cidades do m...
Promessas inviáveis
Nos próximos seis meses, assistiremos a três eventos: bons jogos de futebol, repetitivas eleições e promessas inviáveis. Os primeiros, em função da C...
É possível reduzir a carga tributária em processos de inventários e doações
Mesmo se tratando de uma taxa que também incide na comunicação de transferência de bens e imóveis, o ITCMD (Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doa...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions