A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

21/03/2016 15:50

A Democracia, a Ética e o Poder

Por Ruy Chaves (*)

O passado não tem remédio, mas é o mais importante espelho para o futuro.

Muitas democracias contemporâneas, abertas, participativas, com sua visibilidade plena garantida pela vigilância permanente dos institutos de controle e de defesa da sociedade e do Estado, das mídias formais e sociais, estão em crise, violentadas por formas sofisticadas e extremas de corrupção associadas ao exercício do poder. O poder realmente corrompe? O homem é naturalmente bom e na sociedade se humaniza ou se corrompe? O homem é ruim em sua natureza e na vida em sociedade se humaniza? Ou...? E o homem imagem e semelhança de Deus?

Para Hobbes, o homem é ruim em estado de natureza e fica ainda pior na vida em sociedade. Afirma Locke que ao nascer o homem é uma tábula rasa, uma folha em branco, em si mesmo não sabe o que é o bem ou o mal, mas tende para o bem e se humaniza na vida social. Em oposição, Rousseau diz que o homem nasce livre, mas por toda a parte está acorrentado, em sua natureza o homem é bom, mas a sociedade o corrompe.

A vida é um ato naturalmente político, ensinou-nos Aristóteles, e àquele que primeiro estabeleceu o Estado se deve o maior bem porque se o homem, atingida a sua perfeição, é o melhor de todos os animais, também é o pior quando vive sem leis ou justiça. Terrível calamidade, a injustiça com suas armas aviltantes. A sociedade política, por ser a mais perfeita das associações, visa ao mais perfeito dos bens, que é a felicidade obtida pela virtude.

A política é ciência e arte e a ação política que não é capaz de realizar o bem comum serve aos senhores das trevas, que submetem as razões de Estado às perniciosas razões de governo, os legítimos interesses dos governados sufocados por interesses escusos dos governantes e de seus protegidos, vampiros da nação. Quando a ética não impera sobre a consciência da ação política, a crise pode se transformar em caos. Sócrates foi preciso: o mais capaz de fazer o bem é exatamente o mais capaz de fazer o mal. Quando os guardiões das leis e do governo o são apenas em aparência arruínam a vida em sociedade.

A questão é clássica, merece um permanente olhar para o passado com suas imprescindíveis lições. De um lado, Sócrates, defendendo a ética de princípios, a justiça como valor supremo, fundamento de toda ação, os homens justos e sábios buscando a unidade, o bem maior. Temendo a omissão do homem bom e a corrupção, Sócrates insistia há 2.450 anos ser indecoroso pleitear o poder. Para o Mestre, os bons não querem governar por dinheiro ou por honras, não são ambiciosos. Devem ser induzidos a governar e até coagidos pelo temor de castigo. E o maior castigo está em ser, o que recusa, governado por um homem pior. Em uma cidade formada apenas por homens justos e sábios haveria luta para não governar, como sempre há para governar.

Em oposição, os sofistas propunham a ética de resultados, a justiça como uma mera circunstância, o ser justo apenas quando a ação trouxer vantagem pessoal, o parecer justo e não o ser justo, o homem perfeitamente justo aquele que pratica o mal enquanto conquista reputação de sabedoria e de bondade. Não sem razão, sofisma significa raciocínio falso com aparência de verdadeiro. Para os sofistas, o homem é a medida de tudo o que existe e os justos vivem coroados e bêbados, em eterno banquete, como se a embriaguez fosse a melhor recompensa para a virtude.

Falar de poder e de ética impõe lembrar Maquiavel que, desejando a unidade italiana, em 1513 escreveu De Principatibus, à época a Itália espoliada, dividida por três grandes forças: os príncipes, a Igreja e os exércitos mercenários. O príncipe perfeito, com fortuna e virtú, capaz de conquistar e manter a unidade italiana, teria a força do leão e a astúcia da raposa e governaria um Estado aético comprometido com a eficiência. Toda ação destinada ao bem maior, a unidade italiana, seria legítima. Apenas neste sentido os fins justificariam os meios.

Thomas Hobbes, teórico do absolutismo político, em O Leviatã, 1651, defendeu que há no homem um desejo perpétuo e contínuo pelo poder que somente cessa com a morte, que o homem é o lobo do homem e que o que distingue o homem dos demais animais é a razão, que a maioria dos homens não sabe usar. Ultrapassar de qualquer forma quem estiver à frente é vencer.

O poder e a corrupção voltaram como questões fundamentais em Montesquieu em 1748, opondo-se a toda forma de despotismo. “O poder corrompe... É preciso que, pela disposição das coisas, o poder limite o poder”. Ao lado de Locke e de Rousseau como pais da democracia representativa, em O Espírito das Leis, Montesquieu estruturou teorias sobre Tripartição do Poder e sobre Freios e Contrapesos, pilares do Estado Democrático de Direito.

No século 21, em algumas democracias o poder não limita o poder, governar não é remediar os males alheios e a ética não é essência do poder. A corrupção está em toda parte, especialmente onde jamais poderia estar, nos poderes públicos, praticada por gente que deveria ser exemplo de dignidade e de honra e pautar sua vida na realização do bem comum.

Ao longo da história do Brasil, a Constituição e outros instrumentos de defesa da sociedade e do Estado têm permitido muito dolorosos períodos de trevas entre o arbítrio e a impunidade, quando razões de governo violentam razões de Estado, portanto, subordinando os elevados ideais do Bem Comum aos interesses indignos de detentores do poder e dos que vivem à sua sombra. O arbítrio e a impunidade sangram a nação, desonram a cidadania, aviltam a condição humana. O arbítrio e a impunidade são absolutamente inaceitáveis!

Poder, corrupção e o injusto perfeito em sua sombra protetora. Sócrates, perseguindo a Ideia do Bem, identificou virtudes humanas de que os sofistas conheciam apenas sombras. Quando os homens bons e justos se confortam em suas virtudes, disso se aproveitam leões e raposas humanas. Sócrates, olhai por nós! Qualquer forma de corrupção é absolutamente inaceitável! Praticada por autoridades públicas, é crime hediondo. Ou não? Panta rei.

(*) Ruy Chaves é diretor da Estácio

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions