ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SEGUNDA  26    CAMPO GRANDE 29º

Artigos

A era da aceleração

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*) | 21/03/2021 08:22

Na economia interligada é preciso que se olhe o todo para entender como o Brasil chegou nessa situação. A crise da dívida externa dos anos 1980 foi crucial para o desarranjo geral o que se agravou mais inda com a inépcia da classe política no poder. O país viveu à base de estimulantes monetários atraindo o capital especulativo enquanto o potencial produtivo da economia real ia se esvaindo. Não foi só a classe política que armou isso, mas ela poderia ter sido menos destrutiva.

 O ocidente optou por viver da finança e transferiu as fábricas para a Ásia, gerando as bolhas e incertezas e os Bancos Centrais se tornaram os guardiões do mercado financeiro, criando dinheiro para absorver os encalhes. Enquanto isso, o Brasil tomava emprestado engordando a dívida, encolhendo a indústria, perdendo empregos, e a classe política alheia, deixando o tempo passar.

 Desgraça e caos se afiguram como o trunfo ao qual se apegam aqueles que querem o poder para si em 2022, mas não para o bem do país e sua população, e com certeza continuarão pactuando com aqueles que veem o Brasil como o grande pasto de engorda e sobrevivência de seus interesses.

 Vivemos a era da aceleração que parece encurtar o tempo e acelerar como dominó as consequências das decisões dos seres humanos, e nada fica oculto. Em meio à crise, grande parte das pessoas continua vivendo com a usual displicência que arrastou o mundo à beira do abismo. A pandemia está abalando a economia e as finanças dos países e dos seus habitantes. As estruturas forjadas pelo intelecto frio e calculista, em oposição às leis naturais, estão abaladas.

 A contaminação do vírus existe mesmo e exige cuidados, mas há também a utilização política do vírus com propósitos eleitoreiros e geopolíticos como num estado de guerra. Além disso, também estamos diante da prometida grande colheita de tudo que a humanidade semeou. A questão não é ficar em casa, mas fugir das aglomerações. Adotou-se uma política errada de comunicação com base no medo, o que gera atos de rebeldia. O mais correto seria a comunicação de conscientização de forma a fazer com que cada pessoa se preocupasse consigo mesma e com o próximo. Questão de saúde não é palco para politicagem.

 A vulnerabilidade fiscal já existia antes da pandemia. O país foi deixando de produzir, as despesas subiram, o PIB não crescia, taxas de juros altas, a arrecadação exigia aumento dos impostos. O Brasil tem andado para trás na saúde, educação, desenvolvimento. Sem condição de competir com os importados, fábricas fecharam.

 Os avanços da tecnologia decorrem de descobertas sobre as leis da natureza; o ser humano, em si, não cria nada. Tudo na natureza foi disposto para o bem e o progresso da humanidade; é justo que se aufiram ganhos com esse trabalho, mas os indivíduos, em sua sede de poder e cobiça, querem se utilizar das descobertas para dominar sobre os outros. Há um embate, uma questão difícil e os EUA estão se fragilizando por dentro com a perda da força de vontade do povo. Na China é diferente; a força do querer parte do Estado que impõe a sua vontade.

 Os países que fecharam fábricas trocaram produção e empregos por manufaturas com preços menores. Agora, na crise, percebem que não seguiram o melhor caminho, pois fragilizaram a economia real. Os seres humanos estão perdendo a força de vontade como se fossem robôs, facilitando a manipulação do cérebro, do jeito que os adeptos do Estado forte gostam. Perdem-se as individualidades e diversidades; o avanço técnico encobre o inevitável declínio ético da humanidade.

 Veja o que fizeram com as novas gerações no Brasil. Elas deveriam ter recebido da família e da escola o enraizamento de valores éticos e saberes que lhes permitiriam agir de forma construtiva e beneficiadora das condições de vida; mas estão sem força de vontade. É preciso ouvir a voz interior, a intuição e se pôr em movimento. Ao se afastar do bem, o ser humano se torna acessível às influências destrutivas, passando a fazer o jogo dos inimigos da Luz, de forma consciente ou não, semeando ruína e decadência, impedindo o desenvolvimento espiritual, próprio e da humanidade.

 * Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. E-mail: bicdutra@library.com.br

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário