A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

16/06/2014 13:42

Achamos que não é conosco

Por Bruno Peron (*)

Algumas bocas sinceras dizem que um dos motivos pelos quais Estados Unidos não ratificou o Protocolo de Quioto (que prescreve metas de redução de gases que prejudicam o meio ambiente) é o receio de entravar alguns setores de sua economia. Talvez se refiram às indústrias estadunidenses que poluem o ar, a água e o solo. Por analogia, é possível deduzir que o Brasil só não acaba com o desmatamento de uma vez por causa da expansão descontrolada da agricultura e da pecuária no interior.

No entanto, a Organização das Nações Unidas (ONU) declarou recentemente que tais setores agrícolas e pecuários no Brasil encontraram maneiras de prosperar sem desmatar. Este ritmo de sustentabilidade une-se ao elogio da ONU, durante uma reunião sobre mudanças climáticas em 5 de junho de 2014, aos esforços do Brasil no combate ao desmatamento e na redução da emissão de gases que causam efeito estufa.

O Brasil é um caso emblemático para a ONU devido à extensão territorial colossal da Amazônia e do papel “emergente” que algumas lideranças brasileiras creem que o país tem nas relações internacionais. A ONU comparou o caso do Brasil com os de países africanos, asiáticos e sul-americanos.

É verdade que algumas situações de desmatamento se devem a mudanças climáticas que prolongam o período de secas. No Brasil, porém, está claro que nosso desmatamento tem origem num modelo de desenvolvimento econômico corrosivo e predador. Sustentabilidade é uma roupa nova que esconde um corpo sujo. Desse modo, os que mais falam de sustentabilidade são os que menos fazem para conquistá-la.

O pronunciamento da ONU de que a intensidade do desmatamento tem diminuído no Brasil é alentador, mas digo que o cenário ambiental ainda é preocupantemente grave neste país. Matas extensas transformam-se em glebas para agricultura e pastos para pecuária. Mas não num passe de mágica. Logo, a diminuição do ritmo de desmatamento não é um convite à comemoração porque árvores continuam sendo derrubadas.

Não há dúvida de que duas medidas governamentais têm tido efeitos positivos: demarcação de terras de proteção ambiental e punição a empresas que desmatam para explorar tais áreas. As advertências, leis e medidas do governo fortalecem-se, mas dependem também do consentimento de empreendedores e neo-bandeirantes.

É necessário que os brasileiros nos desenvolvamos com todo respeito à natureza e ao próximo. E não é só porque a ONU se pronunciou ou pela mensagem de outro organismo internacional que o Brasil segue nos Twits do desenvolvimento. Basta observar que mais tiramos que repomos, poucas cidades brasileiras têm planos de reciclagem de lixo, e nossas metrópoles expandem-se com pouca arborização.

Temos assim santuários florestais virgens, de um lado, e zonas urbanas sedentas de expansão descontrolada, de outro. O encontro entre estas duas entidades (a natural e a humana), cedo ou tarde, ocorre através de uma sustentabilidade fraudulenta.

Por fim, aproveito para finalizar este artigo recordando ao leitor que o Brasil se impõe metas ambiciosas. Uma delas é a de reduzir o desmatamento em 80% nos próximos seis anos. As florestas suspiram de alívio. A ONU regozija-se. Agricultores e pecuaristas são lançados contra a parede. E nós meio-cidadãos achamos que não é conosco.

(*) Bruno Peron, articulista e acadêmico

 

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions