A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

24/02/2013 08:21

Arquitetura do atraso

Por Kátia Abreu (*)

Nélson Rodrigues dizia que subdesenvolvimento não se improvisa: é uma longa e penosa elaboração. Triste verdade. Basta lembrar a campanha da vacinação obrigatória, comandada por Oswaldo Cruz no início do século passado.

O sanitarista lutava contra a febre amarela que, àquela altura, matava em escala epidêmica. Pois grupos organizados se insurgiram contra Oswaldo Cruz e a favor do mosquito. Estamos diante de episódio equivalente.

A ameaça de greve dos trabalhadores dos portos contra a medida provisória que abre à iniciativa privada os terminais portuários - e aumenta em escala geométrica a movimentação de cargas, barateando a exportação - é tão bizarra quanto a luta em favor do mosquito. Inscreve-se entre os primores da arquitetura do atraso.

O Brasil figura, no relatório "The Global Competitiveness Report", do Fórum Econômico Mundial, na 130a posição em eficiência/qualidade portuária. Detalhe: são 144 os países incluídos no ranking.

E por que esta colocação? Difícil resumir a insensatez. O que temos é uma associação mortal (e desonesta) entre burocracia e corporativismo, que não deriva apenas dos trabalhadores. A eles, se associam empresários Estado-dependentes, empenhados em manter uma reserva de mercado, em prejuízo do país. Defendem com unhas e dentes o mosquito da febre amarela. Devem apreciar a posição do Brasil no ranking internacional, pois lutam para mantê-la.

O mais espantoso é que a MP dos portos não ameaça os privilégios dos grevistas. Não altera o seu anacrônico sistema trabalhista - único no país e no mundo! Nele, contratações, jornadas de trabalho e salários são regidos pelo Órgão Gestor de Mão de Obra (OGMO), um cartório que mantém o país refém de regras contraproducentes, que encarecem os custos de utilização dos portos e inviabilizam a competitividade.

Pois a MP não altera isto. Apenas enquadra os trabalhadores dos novos terminais nas regras da CLT, aquela que (imaginem!) vigora, desde Getúlio Vargas, para todas as categorias profissionais do país.

Os portuários e seus aliados querem que o atraso se estenda aos novos terminais, cuja missão é exatamente livrar-se do modelo atrasado. Alegam que os trabalhadores dos portos privados serão penalizados. É o contrário: não existe perda salarial onde há competitividade. E esses trabalhadores irão auferir ganhos efetivos de salários, sem a contrapartida da asfixia do setor.

O que essas corporações temem é o êxito desse novo modelo, que vai expor o anacronismo de seus métodos e regras. Como dizia Goethe, nada mais temerário que a ignorância ativa.

Sabe-se que o gargalo da infraestrutura é o maior obstáculo ao crescimento do país, impedindo-o de se tornar competitivo. Numa economia globalizada, nada mais letal.

O que a MP dos portos estabelece já vigora em relação a aeroportos, rodovias e ferrovias. Nada de novo: apenas um exercício de bom-senso e visão de futuro, na mesma sintonia que inspirou o Visconde de Cayru, há 205 anos, ao propor a Dom João VI a abertura dos portos do Brasil ao mundo.


(*)Katia Abreu é presidente da CNA (Confederação Nacional da Agricultura). Artigo originalmente publicado na Folha de S.Paulo.

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions