A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

05/11/2013 21:02

As lesões silenciosas que deixam corredores e médicos de "cabelo em pé"

Roberto R. Cisneros (*)

Com a corrida de rua se intensificando em Mato Grosso do Sul, os praticantes do esporte estão começando a entender que – além de prazeroso – a corrida esconde riscos, e deve ser acompanhada por especialistas.

Dos conhecidos “couch potatoes” (termo em inglês para pessoas sedentárias) aos corredores amadores, é visível o aumento de praticantes da corrida de rua, e o incremento da participação em competições regionais, nacionais e internacionais, o que antes nunca poderia ter sido imaginado nem mesmo pelos corredores amadores.

A corrida é um esporte de puro prazer biológico, até pela intensa liberação de endorfina, porém, a medida que vai se tornando uma busca de recordes pessoais – uma constante nesse esporte – os atletas, qualquer que seja a categoria (amador, recreativo ou competitivo), começam a se expor ao risco de lesões.

Aqui reside a grande diferença entre a corrida e esportes de contato: enquanto na segunda a maioria das lesões ocorre por trauma súbito durante a prática (como no futebol), na corrida de rua a busca por melhoras de tempo e “performance” pode levar o corredor a esforços que ele ainda não pode dimensionar, em relação ao próprio corpo – sua capacidade cardiorrespiratória e biomecânica – ocasionando lesões, principalmente nos membros inferiores. Esse ponto pode frustrar o novo atleta, em especial na tentativa de retornar ao esporte.

Essas lesões ocorrem devido a práticas não estruturadas, não disciplinadas e não orientadas, e têm como característica principal o fato de serem quase sempre silenciosas, onde a busca por assistência médica se faz em quase 100% das vezes pelo aparecimento de dor após ou durante a prática da corrida de rua.

Essa falta de sintomas gera um problema para os amantes da corrida de rua. Quando a dor se manifesta, o aparelho locomotor do atleta já está com sofrimento de longa data, previamente e decorrente de desequilíbrio biomecânico que o corpo já vinha sofrendo, desequilíbrio este que permitia apenas atividades diárias leves. Porém, a prática esportiva mais pesada culmina no aparecimento da dor, que leva o corredor ao médico.

Temos um segundo problema na hora que a dor desaparece. Com um tratamento bem conduzido, o atleta logo fica sem dores e, sem as devidas compensações físicas e cardiorrespiratórias, tende a acreditar que o problema acabou, e acaba voltando cedo demais ao esporte.

Para o praticante da corrida de rua, a recomendação é a realização de avaliações no início e durante determinados períodos da prática (musculoesquelética e cardiorrespiratória), assim como uma disciplina de orientação da prática esportiva, com avaliações periódicas, realizadas por profissionais especializados.

Seja disciplinado, busque ajuda e faça o melhor por você. Afinal, seu sonho não pode e não deve acabar.

(*) Roberto R. Cisneros é médico ortopedista, cirurgião de joelho e traumatologia do no esporte

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions