ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUARTA  29    CAMPO GRANDE 11º

Artigos

Basta de tentativas de ‘ciencídio’

Edson Cocchieri Botelho, João Marcos T. Romano e Paulo Alberto Nussenzveig(*) | 11/09/2022 14:20

Ofinanciamento de ciência, tecnologia e inovação vem caindo seguidamente no Brasil há seis anos. Na contramão de países europeus, norte-americanos e asiáticos, cujos investimentos no setor variam de 2% a até mais de 5% do Produto Interno Bruto, aqui precisamos de intensa mobilização da sociedade para não descer abaixo de 1,2% do nosso PIB.

No último mês de julho, colunistas cederam espaços na imprensa para a campanha #ciêncianaseleições. Como pró-reitores das universidades estaduais paulistas, responsáveis por apreciável fração da pesquisa científica nacional, nos vemos agora obrigados a denunciar mais uma iniciativa do governo federal que fragiliza o setor e pode comprometer nosso futuro.

Em 29 de agosto, o presidente da República, juntamente com seus ministros da Economia e de Ciência, Tecnologia e Inovações, editou a medida provisória 1.136/2022, promovendo cortes de recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT), com perdas estimadas em R$ 2 bilhões neste ano e limitando despesas no setor até 2026.

O FNDCT foi criado ainda em 1969, e reativado no início deste milênio, como uma política de Estado para garantir estabilidade nos investimentos em pesquisas e inovações que permitam planejamento e competitividade ao Brasil na economia do conhecimento. Trata-se de um fundo de natureza contábil e financeira, composto com fundos setoriais voltados ao atendimento de áreas estratégicas, abastecido por receitas vinculadas, que garantem a arrecadação de recursos.

O orçamento, aprovado por um comitê gestor, divide-se em recursos reembolsáveis e não reembolsáveis. A primeira modalidade, usualmente limitada a 15% do orçamento, é um empréstimo, com juros muitas vezes considerados pouco atrativos. A segunda modalidade, destinada a universidades, instituições de pesquisa e empresas, é uma subvenção a pesquisa e desenvolvimento. No orçamento de 2022, metade dos pouco mais de R$ 9 bilhões do FNDCT foi reservada a recursos reembolsáveis, que dificilmente serão utilizados. O teto imposto pela MP 1.136 é de apenas R$ 5,555 bilhões neste ano.

Ao longo dos últimos anos, para cumprir metas fiscais, houve sucessivos contingenciamentos de verbas do FNDCT, impedindo os necessários investimentos em ciência e tecnologia. Apesar do orçamento do FNDCT ter crescido em todos os anos, a reserva de contingenciamento aumentou mais, reduzindo os recursos disponíveis de aproximadamente R$ 1,6 bilhão em 2017, em valores atualizados, para menos de R$ 600 milhões em 2021. Isso motivou a aprovação da lei complementar 177/2021, com um dispositivo que veda contingenciamentos ou limitações de verbas do FNDCT.

O veto do governo a esse dispositivo foi derrubado no Congresso Nacional em 17 de março de 2021. Neste ano, o Ministério da Economia exercitou sua capacidade criativa e licença poética para buscar um bloqueio de R$ 2,5 bilhões, com o objetivo de burlar a regra. A MP 1.136/2022 constitui nova tentativa de violar a independência entre os Poderes, descumprindo a vontade da sociedade expressa por decisões soberanas do Congresso.

Em outubro de 2018, o ainda candidato à Presidência disse que pretendia elevar os investimentos em ciência e tecnologia a 3% do PIB em quatro anos; em abril de 2019, antes mesmo de completar 100 dias de mandato, o governo contingenciava recursos do setor. Nesta Folha, cientistas alertavam, em lúgubre premonição, que isso poderia afetar duramente “áreas importantes, como o enfrentamento de epidemias emergentes (…)” (“Corte orçamentário de 42% em ciência e tecnologia preocupa entidades”, 3/4/19).

No filme “Casablanca”, após testemunhar o assassinato do oficial nazista, o chefe de polícia decreta: “Prendam os suspeitos habituais!”. Ao longo deste governo, a cada vez que buscavam sinalizar austeridade fiscal, a ciência foi um “suspeito habitual”. Basta de tentativas de exterminar a ciência em nosso país, basta de “ciencídio”!

(Artigo originalmente publicado no jornal Folha de S. Paulo, editoria Tendências / Debates, em 9/9/22)

(*)  Edson Cocchieri Botelho é pró-reitor de Pesquisa da Unesp; João Marcos T. Romano é pró-reitor de Pesquisa da Unicamp; e Paulo Alberto Nussenzveig é pró-reitor de Pesquisa e Inovação da USP

Nos siga no Google Notícias