A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

13/12/2011 14:32

Campo Grande e seus novos jardins

Por Heitor Freire*

A nossa cidade, que desponta como uma das melhores no Brasil para se viver, sempre foi privilegiada pelo poder público. O governador Pedro Pedrossian, que nos presenteou com uma universidade, dotou também a cidade com um parque que, podemos dizer, é o nosso Central Park: O Parque das Nações Indígenas, com 109 hectares, localizado em área central, dotado de vários equipamentos que lhe dão a condição de utilização múltipla, possui um lago e pistas para caminhada, lazer, reflexão, meditação e também para a cultura.

Seguramente a observação da paisagem deve ter sido o primeiro motivo que levou o homem a criar um jardim. Com a evolução e o crescimento das cidades, esses jardins passaram a ser indispensáveis ao equilíbrio, e a ter usos múltiplos. A Arte do paisagismo no Japão é antiga e provavelmente originou-se da China e da Coreia muito antes do século VI. Para a cultura japonesa, o paisagismo é uma das mais elevadas formas de arte, pois consegue expressar a essência da natureza em um limitado espaço, utilizando plantas, pedras e outros elementos de forma harmoniosa com a paisagem local. O paisagismo concede tranquilidade para reflexão. (1)

Nas palavras de Mário Quintana: “O segredo é não correr atrás das borboletas... É cuidar do jardim para que elas venham até você”. E é o que se está fazendo em nossa cidade.

Campo Grande dispõe hoje de diversos parques lineares que são áreas que margeiam os córregos com a finalidade de proteção da mata ciliar e preservação ambiental, algumas com equipamentos de lazer. Com isso, a cidade se transformou num lindo e imenso jardim. Temos os seguintes parques lineares, já existentes ou em fase de implantação: Parque do Sóter, do Buriti/Lagoa, do Imbirussú, do Bandeira, do Cabaça e do Segredo.

O Parque do Sóter, com uma área aproximada de 15 hectares, localiza-se na parte norte/leste da nossa cidade, e hoje se denomina Parque Francisco Anselmo Gomes de Barros, homenageando o ambientalista que se imolou pela sua causa.

O Parque Linear do Segredo, com área de 35 hectares, localiza-se na parte norte/oeste da nossa capital. Hoje é chamado Parque Presidente Jânio Quadros, distinguindo o político nascido em nossa cidade.

O Parque Linear do Cabaça, com área de 12 hectares, se localiza na parte sul/leste. Como se vê, são áreas extensas e cuja manutenção exigirá não só o aporte de recursos do poder público, mas também a fiscalização constante da nossa população para que esses tesouros sejam permanentemente preservados.

A criação do Parque Linear do Imbirussu marca uma série de intervenções sociais, urbanísticas e ambientais em uma das áreas mais populosas de Campo Grande. Foram quase sete anos de trabalho, com a construção de casas para retirada de famílias de áreas insalubres, instalação de prédios públicos como escolas e unidades de saúde, obras de infra-estrutura como asfalto e saneamento básico e recuperação de áreas degradadas.

O Horto Florestal, no Imbirussú, com uma área de 20 hectares, que é também uma área de educação ambiental, tem como projeto final a implantação de um futuro jardim botânico, dotando assim a parte oeste da cidade com um local privilegiado e que beneficia uma área extensa. O Projeto compreendeu um conjunto de obras e ações destinadas à recuperação e revitalização da infraestrutura urbana e ambiental. Obtive estas informações por intermédio do engenheiro ambientalista Antônio Carlos Silva Sampaio, da Semadur – Secretaria Municipal de Meio Ambiente e de Controle Urbanístico –, que gentilmente disponibilizou os dados para complementar este artigo.

O paisagismo implantado nos canteiros centrais da avenida Afonso Pena é de autoria do coordenador da brigada verde da Semadur, paisagista Hilarión Gregor Chaparro, – filho de Wisterman Chaparro, o grande jardineiro de nossa cidade, que foi o encarregado dos parques e jardins municipais por mais de 40 anos. Assim, Hilarión tem tradição e a quem puxar e se dedica com competência no embelezamento de nossa principal avenida, dando um novo colorido e destaque à nossa cidade e contribui não só para o aumento da área verde, mas principalmente para o acréscimo da área permeável, possibilitando uma vida mais saudável para a população.

A avenida Afonso Pena, desde a praça Newton Cavalcanti, no bairro Amambaí, onde ela começa, até o shopping Campo Grande, tem aproximadamente, a extensão de cinco quilômetros, e se transformou num verdadeiro jardim que enfeita toda a parte central da cidade e preserva as árvores centenárias já sabidamente reconhecidas como objeto de admiração da população. A avenida continua até o Parque dos Poderes, em frente ao Parque das Nações Indígenas, com pistas de ciclovia e de caminhada.

Espera-se agora o mesmo empenho para a avenida Mato Grosso, cujo projeto está em fase de conclusão e tem a implantação prevista para o ano que vem.

Cantar a nossa cidade faz um bem enorme.

(1) Fonte Wikipédia

(*) Heitor Freire é corretor de imóveis e advogado.

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions