A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

25/03/2014 16:00

Carta aos advogados sul-mato-grossenses

Por Elenice Pereira Carille (*)

Tive a honra de presidir a nossa OAB MS por duas gestões (89/90 e 91/92), ocupei os não menos honrosos cargos de secretária adjunta (1980/81), presidência da CAAMS(98/2000), Conselho Federal(2006/2008), enfrentando momentos de muito trabalho, muita dedicação, sérios impasses, mas também momentos prazerosos.

Apoiei inúmeros candidatos, uns vitoriosos outros derrotados, mas no balanço geral a OAB-MS sempre me proporcionou muita alegria por isso só tenho a agradecer aos meus colegas advogados.

Deparei-me nos últimos meses com momentos tristes. Vi a nossa entidade ser enxovalhada pela conduta do presidente JÚLIO CÉSAR RODRIGUES, nome que ajudei a escolher e a eleger. É, pois, a hora do mea culpa. Errei e induzi colegas ao erro. Só me resta pedir humildemente desculpas.

Tenho o cargo de Membro nato do Conselho Seccional, uma honraria aos que ocuparam a presidência e acredito seja irrenunciável. Porém, renuncio à Presidência da Comissão Permanente de Transparência, Ética Pública e Combate à Corrupção, por não ter o menor sentido presidir tal comissão tendo à frente da OAB-MS, por enquanto, o presidente Júlio César Rodrigues, que foi e continua sendo alvo de denúncia pela imprensa, por ter firmado contrato com o Prefeito Bernal (à época) em conduta duvidosa, tendo em vista as denúncias já existentes contra o prefeito em tramite na nossa OAB. Confesso, mantive-me à frente da Comissão, em total desconforto.

Como apurar irregularidades em órgãos públicos, nos poderes legislativo, executivo ou judiciário, nas empresas públicas, nas autarquias com as baterias voltadas para a nossa OAB?

Lamento a postura do Conselho Federal que não soube fazer a leitura correta da gravidade dos fatos aqui ocorridos, da omissão da nossa entidade maior diante da conduta ditatorial de Julio Cesar Rodrigues, da indiferença com a violência ocorrida dentro da sessão do Conselho. E pior, da despreocupação diante do descrédito crescente da gloriosa OAB-MS perante os advogados e a sociedade.

Está sendo muito triste assistir a renúncia de 22 conselheiros seccionais de um número de 32, de 28 conselheiros suplentes dos 32, de 2 conselheiros federais titulares e 2 suplentes de um número de 03, de membros de comissões, do Tribunal de Ética, de diretores da ESA e da CAAMS. É mais triste porque o presidente Julio Cesar tem o desplante de tentar se manter à frente da nossa Classe.

A renúncia é o preço pago para buscar dar à entidade um outro rumo. Na crença de que virá um nome para dirigi-la que a mereça e que ocupe o cargo com retidão e dignidade.

Sigamos em frente. Não nos acomodemos enquanto a nossa OAB-MS não retornar ao seu papel de vanguardeira da moralidade pública e da democracia.

(*) Elenice Pereira Carille, advogada

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions