A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

23/02/2014 15:05

Ciência para governar estudantes

Aristogiton Moura*

As organizações estudantis vivem um drama recorrente. Por que existem? Para que existem? E por que lutam? Esse drama tem duas vertentes básicas: uma ideológica, vinculada às transformações por que passa o movimento estudantil desde a democratização no Brasil. A definição de qual é o papel político que o estudante e suas organizações devem cumprir e por que tipo de sociedade lutam para construir é um campo que ainda não foi preenchido.

O que se tem visto é uma continuidade do modelo ideológico ultrapassado, unido a uma aliança do movimento com partidos políticos. Aliança essa que não deixa esse processo ideológico renovador aflorar e que tem esvaziado esse importante componente na estruturação desses movimentos.

Como bem destacou Fábio Konder Comparato, “Uma das lições mais importantes da moderna biologia é que a vida constitui essencialmente um projeto; é um movimento rumo ao futuro. Como explicou François Jacob, prêmio Nobel de medicina, "um organismo só está em vida na medida em que vai viver ainda, nem que seja um instante. [...] Respirar, comer, andar significam antecipar. Ver é prever. Cada ação ou pensamento nosso se confunde com aquilo que será". Os indivíduos ou sociedades que perdem interesse pela sua projeção no amanhã já se encontram às portas da morte.

A força vital de uma nação se apóia sempre na consciência coletiva de que existe um objetivo comum a alcançar. Sem essa prospectiva, inicia um processo de decomposição nacional, mais ou menos retardado pela capacidade gerencial dos governantes em fazer com que todos continuem a viver sem pensar no futuro. Quando uma nação já não define um horizonte histórico a ser perseguido com denodo e esperança, se instala no estado de consciência infeliz de que falou Hegel: a impossibilidade de situar-se harmonicamente na vida.

A ação política autêntica é sempre de natureza dialética e desenvolve-se em torno de três questões fundamentais: Quem somos? O que queremos? Contra o que lutamos? Na nossa história recente, vivemos dois momentos importantes, durante os quais se afirmou a consciência de um objetivo comum a ser alcançado.

Nos anos que transcorreram do término da Segunda Guerra Mundial até meados da década de 60, graças à atuação de notáveis brasileiros, a começar por Celso Furtado, propusemo-nos a desencadear um amplo processo de desenvolvimento nacional que lograsse, a médio prazo, estimular o crescimento econômico e reduzir a fabulosa desigualdade na distribuição da renda. Os adversários desse projeto eram todos aqueles, no país ou no exterior, que viviam da exploração do nosso atraso político, econômico e social.

O processo foi bruscamente interrompido pelo golpe militar de 1964, que engajou o nosso país, com armas e bagagens, na Guerra Fria. Contra os abusos e crimes do novo regime político não tardou, felizmente, a se formar a consciência de que o objetivo nacional imediato consistia na instauração de um Estado democrático de Direito.
Sucedeu, porém, que, liquidado o regime militar, sucumbimos, desde logo, ao assalto da globalização capitalista e perdemos de vista toda idéia de projeto nacional. Instalamo-nos num estado depressivo de geral desconfiança em relação aos homens públicos e de crescente desinteresse pelo bem comum do povo e o futuro da nação”.

A outra vertente é a que se reporta à qualidade dos movimentos estudantis, é a gestão das organizações estudantis que, em geral, são frustrantes. Não apontam para o alvo dos reais problemas que deveriam enfrentar. A qualidade dessa gestão é baixa e estacionária e não dá suporte de qualidade para que essas joguem o jogo social que estão inseridas. Isso faz com que as participações dessas, quando ocorrem, sejam de meros espectadores do jogo estudantil político, institucional e social.

* Aristogiton Moura é Representante da Fundación Altadir – Brasil, Diretor Presidente da Strategia Consultores Ltda.

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions