A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 20 de Outubro de 2019

05/10/2019 13:09

Como a transformação digital pode ajudar a salvar vidas

Por Edna Massuda (*)

O setor de Saúde é um dos que mais necessita dos dados pessoais e do histórico de seus clientes para oferecer um serviço completo. Desde exames de rotinas a check-ups complexos, as informações dos pacientes são fundamentais para a chegada a um diagnóstico preciso e definição do tratamento mais adequado.

Como os dados são delicados, fica fácil entender porque os profissionais da área se preocupam tanto com a segurança das informações. Nesse setor, basta um leve descuido para que um vazamento exponha as particularidades de um paciente. Um projeto aprovado recentemente pode representar um ganho para o healthcare. A Lei Geral de Privacidade dos Dados regulamenta a utilização, proteção e transferência dos dados de pessoas no País, garantindo maior controle da utilização dessas informações.

Porém, mesmo amparado pela lei, dúvidas sobre como aumentar a produtividade utilizando a tecnologia de maneira favorável ainda podem surgir. É possível controlar o acesso e a virtualização das aplicações na ponta, garantindo segurança independentemente dos dispositivos que os profissionais estiverem usando.

Para isso, uma das soluções é implementar o smart card, um cartão inteligente que possibilita o acesso dos profissionais às informações médicas com base na identificação pessoal. O procedimento pode ser feito nos dispositivos móveis dos próprios usuários e também nos devices da instituição, fornecendo acessos controlados e individuais. Desta forma, hospitais e clínicas protegem a intimidade de pacientes, evitando, por exemplo, o vazamento de fotos de vítimas de acidentes ao bloquear a câmera dos smartphones quando os profissionais estiverem em perímetros sigilosos, além de ajudar as instituições a se resguardarem de práticas condenáveis, como a utilização de perfis de médicos por enfermeiras.

Com o uso desses crachás, os hospitais e consultórios ganham também um aumento na produtividade, eliminando o gap de um profissional que precisa acessar ao sistema muitas vezes ao dia. Imagine quanto tempo cada funcionário conseguirá economizar sem a necessidade de digitar login e senha toda vez que for acessá-lo. Considere ainda que muitos trabalham em vários hospitais e não conseguem memorizar todas as chaves de acesso.

A tecnologia também entra em discussão quando o assunto é agilizar o atendimento, pois o tempo perdido para buscar os exames e históricos pode custar a vida do paciente. Hoje, ao visitar o paciente em um leito, é necessário buscar as informações em um desktop e decorá-las até chegar ao quarto. Se o médico escolhe anotar, passa a depender de um papel colado na cama e que pode estar desatualizado ou com uma letra incompreensível. Os celulares e tablets, por sua vez, permitem aos médicos e enfermeiros atenderem ao paciente de forma padronizada e mais humanizada, com todas as informações em mãos.

A TI também pode auxiliar no controle dos medicamentos, equipamentos e utensílios. Desta forma, sempre que for preciso retirar do estoque algum remédio, o profissional responsável o escaneia antes de aplicá-lo, garantindo que o medicamento está adequado. Atualmente, essa operação é muito manual e dependente de papeis e etiquetas, impondo ao profissional a conferência da receita médica, do remédio e da pulseira do paciente. Nesta confusão de informações, ele fica mais sujeito a erros.

O uso dessa tecnologia também ajuda a evitar perdas ou roubos de insumos. Caso um funcionário leve dois catéteres da farmácia e utilize apenas um, é possível rastrear toda a jornada deste instrumento e atribuir deveres aos responsáveis por eles.

Estas soluções já começam a ser vistas no Brasil, mas ainda são movimentos tímidos e isolados. Para que a área médica e hospitalar não permaneça na inércia e no atraso, é preciso haver uma releitura de seus processos, buscando soluções mais modernas e tecnológicas. Vivemos uma tendência do uso de dispositivos móveis e informações em tempo real, transformações que podem ajudar não só os pacientes, mas também médicos, enfermeiros e até os administradores das instituições. Por isso, não tenham medo do novo, ele pode salvar vidas!

(*) Por Edna Massuda, diretora da área digital workspace da VMware América Latina.

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions