ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, DOMINGO  16    CAMPO GRANDE 23º

Artigos

Como é o dia das mães para quem já perdeu a mãe, e/ou filhos?

Por Cristiane Lang (*) | 10/05/2024 13:30

O Dia das Mães pode ser uma data desafiadora para aqueles que perderam suas mães, filhos ou ambos. Para essas pessoas, a psicologia desempenha um papel crucial no apoio emocional e no processo de luto.

Aqui estão algumas maneiras pelas quais o dia pode ser vivenciado e como a psicologia pode oferecer suporte:

Para quem perdeu a mãe,

O Dia das Mães pode desencadear uma onda de emoções, desde tristeza e saudade até nostalgia por momentos compartilhados com a mãe. A psicologia pode ajudar a validar esses sentimentos e oferecer estratégias para lidar com a dor do luto, como permitir-se sentir as emoções, honrar a memória da mãe e encontrar formas de manter viva sua presença.

Perder a mãe pode levar à uma reavaliação do relacionamento e do significado da figura materna na vida da pessoa. A psicologia ajuda a explorar os aspectos positivos e desafiadores do relacionamento com a mãe, promovendo a aceitação e o perdão, se necessário, e facilitando a reconstrução de uma conexão significativa, mesmo após a morte.

A psicologia existencialista sugere que encontrar significado na experiência da perda conduz à adaptação e ao crescimento pessoal. Isso pode envolver refletir sobre o legado da mãe, os ensinamentos que ela transmitiu e como sua influência continua a moldar a vida da pessoa. Encontrar maneiras de honrar e celebrar o legado da mãe pode trazer conforto e significado em meio à dor da perda.

Para quem perdeu um filho:

Perder um filho é uma das experiências mais devastadoras que alguém pode enfrentar. O Dia das Mães pode ser especialmente doloroso, pois destaca a ausência física e emocional do filho. A psicologia pode oferecer um espaço seguro para expressar e validar essa dor, além de fornecer estratégias de enfrentamento para lidar com a intensidade das emoções. O luto pela perda de um filho pode ser complexo e duradouro. A psicologia ajuda a pessoa a navegar por esse processo, oferecendo apoio emocional, fazendo com que ela possa encontrar formas saudáveis de expressar a dor e oferecendo ferramentas para lidar com sentimentos de culpa, raiva e desesperança que podem surgir durante o luto.

Embora a dor da perda de um filho possa parecer insuportável, a psicologia auxilia a pessoa a encontrar esperança e resiliência mesmo nos momentos mais sombrios. Isso pode envolver o desenvolvimento de um sistema de apoio sólido, a busca por significado na experiência da perda e o cultivo de práticas de autocuidado que promovam o bem-estar físico, emocional e mental.

Em ambos os casos, a psicologia desempenha um papel vital no processo de luto, oferecendo suporte emocional, estratégias de enfrentamento e oportunidades para crescimento pessoal. Ao reconhecer e honrar a dor da perda, é possível encontrar conforto, significado e até mesmo esperança no caminho da cura.

(*) Cristiane Lang é psicóloga clínica.

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do portal. A publicação tem como propósito estimular o debate e provocar a reflexão sobre os problemas brasileiros.

Nos siga no Google Notícias