A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

02/01/2017 09:50

Comunicações e artes

Por Dulcilia Schroeder Buitoni (*)

O tema é muito antigo, mas de quando em quando volta ao contexto universitário. No universo da cultura, talvez não haja dúvidas quanto à necessidade de relacionar as comunicações e as artes. Porém, ao se pensar na divisão de áreas de conhecimento que resultam em criação de faculdades, departamentos, disciplinas, por vezes surge a ideia de distinção entre essas duas esferas humanas praticamente inseparáveis.

Quando o fluxo visual e audiovisual domina o ambiente em que vivemos, temos que pensar a interação entre comunicação, verbo, imagem, som e performance. A comunicação humana sempre envolveu alguma prática artística, seja nos desenhos pré-históricos – recuperados lindamente no documentário “A Caverna dos Sonhos Esquecidos” (2010), de Werner Herzog – seja nas danças populares, nas óperas italianas, nos livros-reportagem ou nas playlists audiovisuais que hoje fazem parte de conferências científicas em seminários.

Estamos vivendo a era da hipervisualidade. Imagens por toda parte, o tempo todo. Antes éramos atingidos por imagens produzidas por outros; agora passamos a produzir e divulgar muitas imagens, além de produzir auto-imagens.

Os circuitos de produção se retroalimentam infinitamente: imagens full time. E como nos situamos nessa cena impermanente? Como tratar comunicação e arte na universidade? Como pensar esse sujeito que já está sendo chamado de pós-espectador?

A antropologia nos diz que a música é a nossa mais antiga forma de expressão, mais antiga do que a linguagem ou a arte. Yehudi Menuhin escreve em A música do homem que a música começa com a voz e com a nossa necessidade preponderante de nos dar aos outros. Para ele, a música é o homem, muito mais do que as palavras, porque estas são símbolos abstratos que transmitem significado factual. Menuhin sugere que a música é um espelho do próprio processo de pensamento. Os ritmos repetidos e as sequências de tons ajudaram claramente a estabelecer o princípio do reconhecimento e da comparação, recorrendo à memória e ao ensaio e erro. Buscamos conhecimento para que possamos controlar o imprevisível, porque em todos nós há uma necessidade psicológica de reafirmação, para que possamos criar ordem e sentido a partir dos eventos, para dar-lhes foco e direção.

 

A comunicação quer transmitir informações e sentimentos e, assim como a música, constrói padrões para dar sentido às ações humanas. A imagem, a indispensável imagem contemporânea traz padrões muitas vezes estereotipados, mas pode ser um instrumento de criação e de conhecimento. Temos imagens técnicas na medicina, na engenharia e em outras áreas científicas. Se essas imagens forem contaminadas pela arte, provavelmente aumentarão o conhecimento. Comunicação e arte deveriam fazer parte do currículo de todas as habilitações de uma universidade que se quer contemporânea.

O pensamento visual potencializa a informação e o conhecimento. Nascido em Moscou, Lev Manovich estudou na graduação Arte, Arquitetura e Computação; no mestrado e doutorado reuniu artes visuais, psicologia cognitiva e estudos culturais. Professor da City University of New York, é um dos grandes pesquisadores sobre a linguagem da mídia. Ele usa o termo representação com a intenção de invocar a compreensão complexa e matizada do funcionamento dos objetos culturais.

Assim, há diversas tecnologias para uma tela: a pintura, o cinema, o radar, a televisão. Na representação frente à ação, temos as tecnologias de gravação de vídeo, áudio e de armazenamento digital e as de comunicação em tempo real: telégrafo, telefone, televisão, telepresença… Representação e informação se contrapõem nos novos meios: a imersão do usuário num universo de ficção versus o acesso a um corpus de informação como um site web, um buscador ou uma enciclopédia eletrônica. Em The Language of New Media (2001), Manovich usou no prólogo imagens do filme O Homem com uma Câmera (1929), de Dziga Vertov, para resumir e introduzir o conteúdo do livro. Um filme de mais de 70 anos serviu para guiar a reflexão sobre os novos meios.

Outro autor também trabalha com ciência e arte em sua vida acadêmica e profissional. Josep M. Català, professor da Universidad Autònoma de Barcelona, graduou-se em História na mesma UAB, fez mestrado em Cinema na Califórnia e doutorado em Comunicação. Català é um realizador de documentários, participa como jurado em festivais, criou um Master em Documental Criativo na UAB e tem produzido importante reflexão sobre o papel das imagens na comunicação. Sua obra La imagen compleja: la fenomenología de las imágenes en la era de la cultura visual (2005) propõe o conceito de imagem complexa. Para ele, a imagem da visualidade científica, que busca a objetividade, procura ser transparente, mimética e ilustrativa. Já a imagem complexa, que passa pela arte e pela subjetividade, é opaca, propõe interpretações (não quer ser apenas mimética) e pede reflexão.

A imagem complexa, ao incluir a arte em sua composição, aponta caminhos de criação a serem utilizados, por exemplo, no fotojornalismo, nos documentários cinematográficos e televisivos ou produzidos especialmente para a web. Esse conceito também tem grande utilização nas pesquisas universitárias sobre as imagens midiáticas. Català ainda propõe a imagem interface como modelo de conhecimento. Ele vai além da interface como interação entre máquina e usuário ou a interface visual que os programas e aplicativos usam para interação com as pessoas que os usam. Nesse sentido, reforça a condição de modelo mental que implica a existência de uma nova forma de gestionar o conhecimento.

Hoje vivemos uma realidade configurada fundamentalmente pelos fluxos de informação. Todas as áreas científicas deveriam incluir as comunicações e as artes como prática e como teoria. O trabalho com as imagens empreendido pelas ciências juntamente com as comunicações e as artes poderia ser um caminho na direção de uma sociedade do conhecimento mais igualitária, mais justa, mais estética, menos consumista e menos espetacularizada.

(*) Dulcilia Schroeder Buitoni é professora titular do Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions