A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

08/02/2013 10:05

Cuidado, Senadora!

Por Valfrido M. Chaves (*)

A Senadora Kátia Abreu, também presidenta da CNA, talvez esteja caindo num logro, pois está vivendo a expectativa de ser nomeada Ministra da Agricultura e preocupada em manter, pois, boas relações com a presidenta Dilma.

Por conta disso, a expectante ministra tem se empenhado em acomodar manifestações como o fez na Feira de Cascavel quando a Presidenta expressou sua contrariedade quanto a quaisquer manifestações de produtores alusivas às ditas identificações de propriedades legítimas como “terras indígenas”.

Embora um então presidente da Funai já tenha dito que o PT nada faz contra a opinião pública, o nosso produtor rural, em áreas colonizadas com o empenho do Império e da República, não pôde manifestar-se porque contraria a Presidenta.

Enquanto isso, as invasões indígenas correm soltas, como hoje em Dois irmãos. Há alguns meses o mesmo se deu e estava presente numa reunião entre caciques, MPF, Famasul.

Um cacique da comunidade próxima à invasão denunciou que os invasores, sua liderança, não eram locais. São transportados à noite, de ônibus, pagos por quem? O Estado brasileiro não esclarece tais detalhes. Os que invadem, são “guerreiros”.

Se alguém defende sua propriedade, são “jagunços”. O invasor, para setores do Estado, é quem comprou, pagou, produziu por décadas, recolheu impostos, defendeu fronteiras, produz alimento para o mundo todo. Por último, não está podendo gritar e ganhar o apoio da opinião pública.

O que está acontecendo hoje em nossas fronteiras, leitor, tem claramente um norteamento ideológico: impactar todos os princípios que sustentam a propriedade privada e, também, o conceito de Nação.

Isso se vê no empenho do indigenismo estatal em afastar nosso índio da sociedade, tanto através do conflito, com o qual parece tolerante, quanto da manutenção de condições de vida degradantes e das “áreas contínuas” nas fronteiras.

Uma hábil manipulação impede que índios e proprietários se unam para exigir do governo e do Estado brasileiro o cumprimento de suas responsabilidades com ambos.

Aqueles que hoje estão confiando no norteamento da Funai, lembrem-se de duas coisas: primeiro, nunca se afastaram um só passo deste objetivo: expandir aldeias sobre propriedades particulares, sem indenização.

Segundo: para a ideologia norteadora da destruição da propriedade privada, não existe verdade, não existe mentira. Existe o objetivo, e a “práxis” da promoção do conflito, a invasão, o engano, a mentira e um melzinho na boca de um ou de outro, quando convém. Como dizem eles: “pour épater lês burjois”.

Para enganar os burgueses. Por tudo isso, “cuidado, Senadora,”, pois, até hoje nossa Presidenta não expressou contrariedade com as invasões indígenas, seus financiamentos e manipulações. Nossas fronteiras não podem ser moeda de troca no jogo do poder.

(*) Valfrido M. Chaves é psicanalista e escritor.

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions