A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 24 de Junho de 2018

07/07/2017 07:10

Direito em alta

Por Luiz Gonzaga Bertelli (*)

A carreira de direito – uma das mais antigas da história da humanidade – continua como uma das mais cobiçadas pelos jovens. Atualmente cerca de 700 mil estudantes cursam as disciplinas jurídicas em mais de mil faculdades, universidades e centros universitários espalhados pelo país. É um número elevado, se levar em conta que em países como os Estados Unidos o curso é oferecido por cerca de 160 universidades.

Segundo dados da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional São Paulo (OAB-SP), existem atualmente um milhão de advogados em atividade no país – 40% desse contingente atuam no Estado de São Paulo. Esse número poderia ser muito maior se a própria OAB não selecionasse os profissionais pelo famoso “exame da ordem”. Para conseguir a regulamentação para a atividade jurídica, no final da graduação, os estudantes devem ser aprovados no exame. Há, no entanto, uma média de 80% a 90% de reprovação.

Esse controle, no entanto, é providencial, e visa garantir a qualidade do exercício profissional. Infelizmente é sabido que a educação vai muito mal das pernas. Os resultados pífios dos alunos brasileiros do ensino fundamental e, principalmente, do ensino médio, nas avaliações internacionais, são uma prova do descaso com a educação. Com isso, eles levam essas deficiências à faculdade. E como em grande parte dos cursos, o vestibular é apenas proforma, é no exame da OAB que os graves problemas do ensino aparecem, como dificuldades de compreender e redigir textos.

Uma das maneiras de melhorar a formação dos estudantes da área jurídica é por meio do estágio. Na capacitação prática, os estudantes convivem com profissionais experientes e aprendem tecnicamente a mexer com petições, recursos e processos, conhecendo a dinâmica da carreira. Com o intuito de estimular a abertura de oportunidades aos alunos para o aprimoramento dos futuros profissionais e identificar as fragilidades no ensino de direito, o CIEE atua em consonância com a Comissão Acadêmicos do Direito da OAB-SP, estimulando o contato entre escritórios de advocacia e estudantes. Além disso, o CIEE tem parceria com uma série de órgãos públicos por todo o Brasil, oferecendo sistematicamente vagas aos estudantes da profissão que, como costuma dizer o jurista Ives Gandra Martins, “é a mais importante, porque, sem ela, não há sociedade organizada.”

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente do Conselho de Administração do CIEE, do Conselho Diretor do CIEE Nacional e da Academia Paulista de História (APH)

Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions