A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

16/09/2018 08:26

Dos alicerces à manufatura do futuro

Por Alex Etevaldo da Silva (*)

O Brasil acaba de atravessar, quem sabe, a pior crise econômica das últimas décadas. Muitas organizações precisaram realizar verdadeiras façanhas para se manter vivas durante o amargo período de instabilidade e algumas, infelizmente, não conseguiram se adaptar às novas exigências de qualidade, produtividade e competitividade, vindo a cerrar as operações.

Ao mesmo tempo em que acompanharam as discussões sobre tendências tecnológicas, como realidade aumentada, internet das coisas, impressão 3D e outras tantas que são demandadas pela indústria 4.0, muitas empresas tiveram de rever as estruturas como forma de sobreviver à crise. Além de escassos recursos, muito se perdeu em termos de mão de obra e cadeia de suprimentos.

Pois bem, a economia brasileira já começa a apontar uma retomada do crescimento, embora modesto – movimento em que a manufatura pode mais uma vez assumir a função de mola propulsora, sendo agente promotor do aumento de produtividade e qualidade. Para tanto, as organizações precisam ter criatividade e foco no aumento da competividade.

É fato que as empresas estão em diferentes estágios nesta jornada da competividade: enquanto algumas necessitam voltar às bases da manufatura para fortalecer a estrutura, com a revisão de controles típicos como gestão de operações, outras já apresentam patamar de estabilidade, que as habilita a iniciarem o processo de transição e avançarem em direção à manufatura do futuro.

Hoje os times de manufatura já precisam adaptar as organizações para as tendências da mobilidade. Como converter uma fábrica de componentes de motores a combustão para fabricar também motores elétricos com o menor valor de investimento possível? Essa adaptação na manufatura passa pela indústria 4.0, cujo grande diferencial é justamente a flexibilidade com baixo investimento.

Grandes fábricas, acostumadas a produzir um só tipo de componente, também já passam por adaptações com foco na fabricação de múltiplos componentes, conforme as demandas dos clientes. Na medida em que a produtividade e a qualidade aumentam de forma considerável, as empresas se tornam as mais competitivas neste tempo em que as expectativas dos clientes não param de aumentar.

Quem tiver interesse em discutir estes e outros assuntos, independentemente do porte ou do estágio em que a respectiva empresa esteja nesta jornada da competividade, está convidado a participar do 10º Simpósio SAE BRASIL de Manufatura, que será realizado dia 10 de outubro, no Hotel Intercity Premium, em Caxias do Sul.

Durante o encontro, lideranças de fabricantes, fornecedores e consultorias irão discutir como revitalizar a indústria brasileira a partir de temas como gestão de operações e manutenção de processos em busca de estabilidade básica. Também irão debater como aumentar a competitividade com o uso correto das novas tecnologias emergentes desta era digital.

(*)Alex Etevaldo da Silva é diretor de Qualidade e Confiabilidade do Produto da Marcopolo e chairperson do 10º Simpósio SAE BRASIL de Manufatura

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions