A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 24 de Junho de 2018

27/12/2017 15:57

Governo lida com responsabilidade, não com popularidade

Por Eduardo Riedel (*)

A frase acima, proferida pelo governador Reinaldo Azambuja, sintetiza bem o conceito da nossa gestão. Garantir o equilíbrio financeiro do Estado para que o governo possa cumprir com a sua missão, de promover o desenvolvimento e proporcionar melhores condições de vida à população.

Por conta de uma administração responsável, Mato Grosso do Sul é hoje um Estado com um dos melhores potenciais de crescimento do País. Para chegar a esse estágio, no topo dos indicadores sociais, econômicos e ambientais, o governo adotou medidas importantes. Reduziu a estrutura administrativa do Estado e criou um ambiente de confiança na economia regional. Ações que asseguraram um desempenho positivo dos desafios da gestão pública, redução dos efeitos da crise nas atividades produtivas, investimentos privados e solidez fiscal.

Nesses três anos de crise, mesmo na fase mais aguda (entre 2016 e 2017), o governo não caiu no imobilismo nem permaneceu inerte diante das medidas necessárias ao equilíbrio financeiro e, principalmente, à estabilidade administrativa. Desta forma, cumpriu com as entregas acordadas.

Foi um dos poucos estados a ampliar os investimentos em obras de infraestrutura, habitação e saneamento básico, além de atender demandas represadas por governos anteriores, como a fila do sistema público de saúde.

E os bons resultados projetaram nacionalmente o nome do nosso Estado, que figurou no topo do ranking em diversos indicadores de desempenho e alcance das políticas públicas. Saímos da nota 1,4 para nota 10 em transparência, em dois anos seguidos: 2016 e 2017. O Estado também foi o único a manter saldo positivo na geração de empregos na fase mais aguda da crise e concluiu o ano com mais de 18 mil empregos gerados.

Índices de Desafios da Gestão, da Consultoria Macroplan, apontam que MS registra o terceiro maior crescimento do país. O Estado reduziu o endividamento em relação à receita, sendo o Estado com a 7ª menor dívida do país e o 8º que mais investiu em relação à receita corrente líquida. No quesito infraestrutura MS é o 5º no ranking por concluir uma demanda de nada menos que 214 obras inacabadas.

Segundo o Instituto Makenzie Mato Grosso do Sul também é o Estado com maior liberdade econômica e, de acordo com o Centro de Liderança Pública (CLP), nosso potencial de mercado é o segundo no ranking da taxa de crescimento.

E as empresas que aqui investem, o fazem por uma série de fatores como logística de transportes, solidez fiscal e perspectiva de mercado. Sem falar no ambiente, ainda mais atrativo para os empreendedores, com a convalidação e transparência dos incentivos fiscais. Faltava essa segurança jurídica.

Tudo isso faz parte da política de indução ao desenvolvimento, que vem acompanhada de políticas de sustentabilidade ambiental e redução dos gargalos, como os custos do saneamento básico e da energia. Rapidamente vamos saltar no ranking do acesso à água tratada com o avanço do programa de universalização do sistema de água e esgoto.

Neste novo cenário, de gestão equilibrada com sinais de recuperação do crescimento, a expectativa dos investidores do setor industrial em relação à economia estadual chegou a 52,6% em pesquisa da Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul (Fiems). O Estado exportou neste ano 23,18% a mais que em 2016 e teve um crescimento de 5,62% na abertura de novas empresas, totalizando 5.601 novos empreendimentos.

Também obtivemos expressivos avanços na segurança pública, por meio do Programa “MS mais Seguro” que permitiu ao Estado figurar entre os 10 estados que mais aumentaram a dotação orçamentária em policiamento e aparelhamento dos órgãos de segurança pública, segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Por esses motivos estamos convencidos de que, com uma gestão cada vez mais responsável, transparente e eficiente, Mato Grosso do Sul seguirá no topo dos indicadores positivos de melhores condições de vida à população. Concluímos 2017 com um sentimento de dever cumprido e nos preparamos para mais um ano de muitos desafios, porém, com a certeza de que entregaremos um Estado muito mais maduro, com um excelente potencial de desenvolvimento e crescimento para os próximos 40 anos.

(*) Eduardo Riedel é secretário de Estado de Governo e Gestão Estratégica.

Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions