A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

30/09/2013 09:09

Justiça tardia é injustiça

Por Gilson Cavalcanti Ricci (*)

O Poder Judiciário peca clamorosamente contra o direito de todos quantos dele se valem para a busca de justiça, por motivo de várias falhas funcionais – a maior de todas a morosidade injustificada. Neste sentido, o imortal jurisconsulto brasileiro, Rui Barbosa, discursando na Faculdade de Direito de São Paulo em 1920, condena com veemência o juiz moroso: “Justiça tardia não é justiça, senão injustiça qualificada e manifesta. Porque a dilação ilegal nas mãos do julgador contraria o direito das partes, e, assim, as lesa no patrimônio, honra e liberdade”.

Reporto-me à morosidade injustificada, quando a concretização do provimento judicial depende tão somente de mera assinatura do magistrado, como caso de expedição de alvará judicial, para saque de dinheiro depositado a crédito da parte. Neste caso, a morosidade é flagrantemente injustificada. Nas andanças pelos fóruns sinto que a reclamação neste sentido é geral e mais do que justa, pois o processo, que já teve uma espinhosa e longa tramitação até ao trânsito em julgado da sentença condenatória – muitas vezes décadas inteiras - e, após o cumprimento da sentença pelo devedor depois do trâmite de outro cansativo processo, o de execução, finalmente, depositado o crédito do credor na conta do juízo, surge outro entrave burocrático, desta feita a necessidade de expedição de alvará judicial para o saque.

O magistrado então protela a assinatura do referido documento, ficando o dinheiro retido na conta judicial indefinidamente, muitas vezes por meses seguidos, enquanto a parte submete-se à uma verdadeira via crucis em busca da autorização judicial para ter em mãos o benefício pelo qual litigou anos a fio. O fato não é esporádico, é até contumaz nos juízos por onde tramitam ações de cunho econômico.

O grande Rui, no alto de sua sabedora jurídica, condena categoricamente tal procedimento atentatório ao patrimônio, honra e liberdade, como exposto no preâmbulo deste modesto artigo. O cidadão que litigou em juízo por seu direito patrimonial, deve imediatamente entrar na disponibilidade do benefício decorrente do provimento judicial. Não deve esperar por mais tempo para tê-lo em mãos, uma vez que aguardou pacientemente pelo desfecho da ação, não sendo justo que o Poder Judiciário retenha o benefício depositado à sua disposição.

Seria de bom alvitre a existência de norma regimental específica, que imponha ao magistrado a imediata ou automática liberação de toda e qualquer importância depositada na conta judicial em favor da parte, e o impeça dessa forma lesar o patrimônio de alguém. Muitos criticam a atitude injusta dos magistrados, que deixam de efetuar a liberação de alvará em tempo razoável, chegando a duvidarem da honestidade deles, com o que não concordo absolutamente, eis que neste caso estaria o togado praticando crime de apropriação indébita à luz do dia.

É Rui Barbosa quem conceitua o julgador moroso como “lesador do patrimônio alheio”, pois disse alhures alto e bom som que “a dilação ilegal nas mãos do julgador, contraria o direito das partes, e, assim, as lesa no patrimônio, honra e liberdade”. Logo, a morosidade injustificada, no caso de expedição de alvará, enquadra-se na sábia e sempre atual conceituação do “Águia de Haia”.

(*) Gilson Cavalcanti Ricci é advogado.

Muito, pouco
No dia 3 de maio de 2016, foi promulgado o Decreto nº 8.737, que institui o Programa de Prorrogação da Licença-Paternidade para os servidores público...
A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...



Ai no MS a justiça inteira e tardia, fala tanto em modernidade... Os juízes só sabem encher penitenciarias em uma superlotação desumana abusando do poder da prisão preventiva. Acorda brasil todos desde o pequeno ate o grande a justiça tem que prevalecer, ela não e cega por que e burra ou omissa e sim por que tem que ser imparcial.
 
silma lucia da silva em 30/09/2013 20:53:51
Parabéns! pelo artigo. Não podemos mais permitir que esta justiça injusta permaneça atingindo o nosso povo. Vamos gritar mais alto para que o povo ouça e manifeste sua vóz, contra a inoperância do poder judíciario.
 
Reinaldo Ferreira dos Santos em 30/09/2013 09:48:42
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions