A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 29 de Maio de 2017

07/04/2012 09:21

Literatura de Cordel e Ensino: a Diversidade Cultural no Cenário Educacional

Silvio Profirio da Silva (*)

Nos dias atuais, uma ampla literatura tem voltado seu olhar para a questão da diversidade em suas múltimplas formas [cultural, étnica, linguística, religiosa, sexual etc.] e, por conseguinte, para a inclusão dessas temáticas nas práticas de ensino. Por esse motivo, muito tem se falado acerca da diversidade cultural, com o propósito de levar para os bancos escolares as mais diversas culturas da realidade social brasileira. Culturas estas que nem sempre tiveram espaço no currículo escolar e, conseguintemente, na práticas educativas. Diante dessa perspectiva, nem sempre essa concepção de ensino que se volta para uma perspectiva de diversidade, de heterogeneidade e de multiplicidade esteve presente no processo de escolarização brasileiro.

Contudo, a partir de meados da década de 80, o ensino, em uma perspectiva geral, tem presenciado a consolidação de profundas mudanças nas práticas pedagógicas presentes no cenário educacional. Esse quadro tem início, em função da eclosão de inúmeros fundamentos teóricos, provenientes dos postulados das Ciências da Educação [Pedagogia] (ALBUQUERQUE, 2006; ALBUQUERQUE et al, 2008). Uma das mudanças oriundas desses postulados diz respeito à inserção de diversos aspectos da cultura popular no âmbito educacional. Em específico, a inserção de diversos gêneros textuais que lançam mão de fatores culturais. Dentre esses gêneros textuais, destaca-se, nesta escrita, a Literatura de Cordel.

A Literatura de Cordel pode ser conceituada como uma poesia de cunho/ teor popular, construída, linguísticamente, com base na cultura da raça humana (FONSÊCA & FONSÊCA, 2008). Isto é, esse tipo de literatura tem como fio condutor as produções materiais e imateriais das espécie humana, sendo marcada ideologicamente e socialmente. Ao fazer isso, o Cordel desconsidera a classe social, englobando, assim, o fazer do ser humano, independentemente, das suas origens. Ou seja, essa literatura aborda as construções/ produções humanas, sejam elas provenientes das camadas menos favorecidas economicamente, seja das camadas abastadas da sociedade.

Seus versos lançam mão de versos, métricas e rimas que abrangem diversos tipos de temáticas, tais como, histórias fictícias, lendas, mitos etc. . Algumas dessas histórias são provenientes de gerações anteriores, mas chegam aos dias atuais em função do povo e das suas memórias. No entanto, seus versos não se limitam a esse tipo de temáticas, mas também englobam aos temas de cunho social, levando para o universo escolar temáticas de suma importância para a formação dos discentes brasileiros (BENTES, 2004). Temáticas estas que contribuem para a inserção desses sujeitos na prática de ações de transformação social. Partindo desse pressuposto, a partir das temáticas abordadas pela Literatura de Cordel, ela contribui para a inserção dos alunos no exercício pleno da cidadania.

Nesse sentido, a Literatura de Cordel leva para o universo escolar novas estratégias de ensino relacionadas à diversidade cultural. Em outras palavras, essa literatura propicia um trabalho inovador, trabalhando a questão da diversidade dos grupos e suas ideologias, abordando questões de cunho social e promovendo a inserção da diversidade cultural no âmbito educacional. Com isso, o ensino passa a ser trabalhado em uma perspectiva de múltiplos olhares, transcendendo, assim, a perspectiva das atividades com um fim em si próprias e atreladas aos aspectos de reprodução.

(*)Silvio Profirio da Silva é graduando em Letras pela Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE

A delação premiada veio para ficar
Alguns meios de obtenção de prova no processo penal passaram a ser admitidos mais recentemente para enfrentar o surgimento e o fortalecimento das org...
Agostinho
Agostinho Gonçalves da Mota é uma das poucas unanimidades em nossa cidade. Com 92 anos de idade, uma alegria contagiante e uma gargalhada que se ouve...
Como financiar a gratuidade de nossas universidades?
Quando falamos em financiamento do estado três questões devem ser respondidas ao mesmo tempo: quem irá contribuir, com quanto e como esses recursos t...
Porto Canuto: ponto final ou início de uma história!
A vida não é uma mera sucessão de fatos e acontecimentos. Rememorei a “Retirada da Laguna” e comparei com os nossos problemas atuais. A coluna brasil...



Muito bom esse artigo. Fala de forma bem pratica sobre o cordel, sua diversidade cultura e o promover do cunho social no aluno. Gostaria de saber mais sobre as referêcias bibliograficas do mesmo.

Desde já agradeço.
 
Thalita Antunes em 15/08/2012 08:20:16
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions