A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 2018

25/07/2017 14:13

Luta e resistência da mulher negra, latino-americana e caribenha

Por Eunice Léa de Moraes (*)

O Dia Internacional da Luta e Resistência da Mulher Negra, Latino-americana e Caribenha, celebrado no dia 25 de julho, foi estipulado em 1992, durante o 1º Encontro de Mulheres Afro-Latino-americanas e Afro-caribenhas, na República Dominicana. No Brasil, desde 2014, homenageia nessa data, Tereza de Benguela, importante líder quilombola do século XVIII.
Muitas terezas, dandaras, marias, joanas, lélias, luizas, anas, raimundas e tantas outras sem nome,que lutaram, resistiram e morreram vítimas dos sistemas opressores de classe, raça e gênero que marcam a trajetória das mulheres negras.

Lembrando Sueli “[...] as vozes silenciadas e os corpos estigmatizados de mulheres vítimas de outras formas de opressão além do sexismo, continuaram no silêncio e na invisibilidade.”(CARNEIRO, 2013),


As mulheres negras tem uma trajetória histórica de resistências política, ideológica, teórica e prática de enfrentamento ao racismo, sexismo e de estereótipos, que assinalam o surgimento do pensamento feminista negro,como um aspecto que demarca a diferença construída nos saberes das vivencias e experiências de mulheres.


A intelectual e ativista negra, ícone da luta contra o racismo no Brasil, Lélia Gonzáles nos diz: “[...] O que eu percebo é que o nosso cultural nos dá elementos muito fortes no sentido da nossa organização enquanto mulheres negras. (GONZALES, 1991)


As mulheres escravas “passaram para as suas descendentes nominalmente livres um legado de trabalho pesado, perseverança e auto resiliência, um legado de tenacidade, resistência e insistência na igualdade sexual – um legado do que fala das bases de uma nova natureza feminina” (DAVIS,2013).


As mulheres negras continuam marchando, denunciando e anunciando uma nova natureza feminina, que rompe com a visão eurocentrica do ser mulher universalizante, descolada das dimensões de classe, raça e gênero.


“Não cabemos mais no mesmo lugar, aconteça o que acontecer.” (BAIRROS, 2014)


(*) Eunice Léa de Moraes é  mestra em Ciências Sociais e colaboradora Xaraés Consultoria e Projetos

Gestantes Presas – O que a lei diz a respeito deste fato
A poucos dias uma mulher foi presa portando 90 gramas de maconha, tal situação seria corriqueira se não fosse o fato de que a mesma estava grávida e,...
Vitória da intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro
A oposição foi derrotada na Câmara Federal, de forma acachapante, por 340 votos a favor e 72 contra, chancelando a intervenção na segurança pública d...
A reforma da Previdência e suas mazelas intervencionistas
Em recente pronunciamento, os representantes do governo federal vieram aos meios de comunicação para, oficialmente, anunciarem a suspensão da reforma...
O papel da família na inserção da criança na escola
O início do ano letivo é vivenciado de maneiras diferentes, de acordo com a faixa etária de cada estudante. Para crianças menores, que iniciam a jorn...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions