A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

17/04/2015 08:29

Mau uso do WhatsApp no ambiente de trabalho

Por Daniel de Moraes (*)

O WhatsApp é um aplicativo que caiu na graça dos brasileiros, deixou de ser apenas mais um instrumento de troca de mensagens para se tornar uma importante ferramenta de comunicação, inclusive no ambiente de trabalho.

Com isso, encontramos empresas que são dependentes deste mecanismo devido à ausência de custo e também a possibilidade de criação de grupos, onde há uma interação imediata com vários indivíduos, ao mesmo tempo.

No entanto, essas vantagens podem trazer problemas, tanto para os empregadores, quanto aos empregados, caso não haja cautela em sua utilização.

O tema já chegou aos TRTs, que, por sua vez, proferiram decisões condenando empresas a pagar indenizações por danos morais a empregados, que sofreram assédio moral de superiores em grupos de WhatsApp.

Outra questão que deve ser enfrentada é a consequência que a prorrogação da jornada, pelo uso dessa tecnologia, pode trazer, pois o fato faz com que o funcionário esteja inserido no ambiente de trabalho, mesmo estando fora de seu horário de expediente. Importante destacar que a utilização fora do período de trabalho configura tempo à disposição da empresa, ensejando o pagamento de horas extras.

Em contrapartida, recente estudo feito pela empresa Deep – Desenvolvimento e Envolvimento Estratégico de Pessoas e Clientes apontou que os funcionários perdem até 25 horas por mês acessando a web por motivos pessoais. O grande problema é que muitas pessoas ficam o tempo todo parando para olhar ou responder mensagens, com isso, acabam perdendo, em média, 1 hora e 16 minutos de trabalho por dia. Isso significa uma perda de 25 horas, o equivalente a 3 dias por mês, ocasionando expressivo prejuízo ao empregador.

Como já destacado, os avanços tecnológicos e as vantagens trazidas pelo aplicativo, devem ser utilizados de forma consciente e responsável, muitas vezes dependendo de observância aos regimentos internos da empresa, sem abusos ou excessos, a fim de que seja mantido o seu uso com o pleno aproveitamento dos benefícios que a ferramenta proporciona, evitando com isso prejuízos que possíveis demandas judiciais venham a trazer a ambas as partes.

(*) Daniel de Moraes, do Escritório de Advocacia Mascarenhas Barbosa e Advogados Associados

Agrotóxicos como arma química: a permanente guerra agrária no Brasil
Os conflitos no campo brasileiro se assemelham à guerra. Guerra agrária que sempre foi latente e cuja base é calcada na formação socioeconômica depen...
O embate entre o conhecimento e a ignorância
O matemático e filósofo britânico Bertand Russell, um dos mais influentes pensadores do século XX, dizia que o maior problema do mundo moderno é que ...
10 artistas plásticos em filmes ( e um bônus)
Lidar com a vida e a obra de artistas plásticos sempre é um desafio. Esta lista, incompleta como qualquer outra, apresenta filmes realizados com os m...
Síndrome de Burnout: do entusiasmo ao esgotamento profissional
Na década de 70, o psicólogo Herbert J. Freudenberger foi um dos primeiros a observar alterações significativas de humor, atitude, motivação e person...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions