A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 16 de Novembro de 2018

02/01/2014 15:15

Meu Deus do Céu!

Por Ruben Figueiró (*)

Uma nota pequena à margem de uma página de jornal, eis a notícia: “a dívida pública do Brasil ultrapassou 2 trilhões de reais”. Meu Deus do céu!, exclamei.

Anotem: uma criança que acaba de nascer já assume sobre seus ombros uma dívida herdada de seus País superior a 1 mil reais, isto sem acrescentar os juros moratórios. Na pródiga e faustosa propaganda oficial versa que quitamos, no Governo Lula, a dívida externa. Nada obstante os dados, também oficiais, ficamos sabendo que ela está na ordem de 5% do PIB.

O Governo alega também que temos reservas de algo em torno de 300 bilhões de dólares aplicados em bônus rentáveis no exterior. Tudo bem. Esse foi um passo importante, conquistado graças à política econômica de FHC, porém não menos importante a considerar é a estratosférica dívida interna.

O chamado “superávit interno”, tido como reserva estratégica para pagamento de juros referentes à dívida interna, tão louvados pelos áulicos governamentais, se mostra, contudo, insuficiente para cumprir a sua missão amortizatória.

Na tentativa de minimizar as dificuldades do Tesouro, as autoridades fiscais levantam a tese (frágil) de que a receita cresce para suportar os compromissos, a cada tempo alcançando aumentos geométricos, o que torna necessário, para fechar as contas, o aporte de recursos oriundos das instituições bancárias privadas, estas ávidas por altas taxas em razão do spread garantidor do risco oficial.

Estas reflexões, após ler a notícia desencorajadora justamente neste final de ano, quando o clima natalino nos torna mais tolerante e de boa fé, não deixa de mexer com a cuca da gente. Como 2014 será um ano de extraordinários acontecimentos, a Copa do Mundo, as eleições presidenciais, de governadores e de renovações no Poder Legislativo, quando a tendência do oficialismo é a de não ter parcimônia nas despesas decorrentes da ambição e das exigências de um mercado eleitoral crescente no mesmo diapasão, qualquer cidadão que se preocupa com o futuro fica de cabelo em pé.

Confesso, caros leitores e leitoras, que a diminuta nota jornalística transformou-se para mim – e tenho certeza para todos aqueles que a leram – numa expectativa não otimista para o ano que abre as portas. Disseram-me que o consagrado economista André Lara Rezende publicara longo artigo extremamente alarmante em que analisa a situação econômica do País, suas perspectivas próximas com fulcro nos pífios resultados geradores de uma já sintomática crise tributária e financeira na gestão governamental, indicando que estamos sem horizontes claros que anunciem esperanças de recuperação econômica.

A esse respeito, inclusive, o Ministro Guido Mântega, em quem acredito bons propósitos, em recente manifestação afirmava que a ação das finanças públicas e a baixa performance do setor privado (este desestimulado e, portanto, precavido, diria) estão de “pernas mancas”...Como já dissera Schopenhauer: “o homem tem, no dia, 15 minutos de bobeira”, o que talvez tenha sido um desses momentos em que incorreu sua excelência. Daí nasce a nossa preocupação.

(*) Ruben Figueiró é senador pelo PSDB de Mato Grosso do Sul.

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


Para resolver esse problema da dívida interna :
1 - Acabar com a representação popular e do Estado, ou seja, acabar com os "cargos" de vereador, deputado estadual e senador; Ficam só prefeitos, governadores e presidente, com destituição imediata se não cumprirem as metas econômicas.
2 - Acabar com os presídios e colocar todos os presos pra trabalhar;
3 - Acabar com a mamata do judiciário, que tem férias o ano inteiro e multar juízes por não cumprimento de prazos processuais;
4 - Reforma tributária : imposto único de 1%(um por cento) sobre qualquer "coisa".
5 - Depois eu continuo.
 
gerfer junior em 02/01/2014 17:03:48
Excelente artigo,diz exatamente o que já venho dizendo "Feliz Ano Novo para Voce que não votou no PT e vai pagar a conta!"
 
Marco Aurélio em 02/01/2014 16:17:44
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions