A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

03/10/2017 07:15

Moral e felicidade

Por Renan Antônio da Silva (*)

Todo vivente quer viver, quer ser, e ser feliz. É sobre esta vontade espontânea, pode-se mesmo dizer, num certo sentido, instintiva, que se modelará todo seu agir. A eterna busca da felicidade, eis o que define a lei profunda e indubitavelmente interior que rege toda a vida humana. É portanto, neste nível que a moral deve se situar. Ela se torna, então, intrínseca ao homem, não mais gratuita e imperiosa, mas exigência poderosa que permite melhor viver, melhor ser, se estabelecer na felicidade realizando-se plenamente em toda dimensão de sua racionalidade.

Com efeito, a felicidade se situa no nível do ser. Tornou-se necessário relembrá-lo com insistência em uma época como a nossa, que se caracteriza pelo culto exagerado do ter. Em nossos dias, a relação entre o ser e o ter é, certamente, uma das mais importantes a se definir, não somente pelos filósofos como Gabriel Marcel, mas por todo homem que não quer frustrar sua vida.

Ora, é isto precisamente, o que ocorre aqueles que dão prioridade ao ter sobre o ser, como é o caso de muitos de nossos contemporâneos. Vivemos, há já alguns séculos, sob o signo cabalístico da propriedade. O ideal do homem se tornou a posse. O sonho de ter é universal: possuir é uma mística. Termina-se por crer, ainda que inconscientemente, que tudo pode ser comprado, mesmo o amor e a felicidade. Ora, esta obsessão de ter engendra uma diminuição no nível do ser. E é estranho se bem que revelador, constatar que são, com frequência os mais ricos os menos felizes. Porque, se ter não é um vício mas uma necessidade, é igualmente verdade que ter não é suficiente.

Nada existe passivamente; não sofremos a ação do ser, não nos deixamos ser: nós fazemos ser. Não pode haver felicidade a não ser no equilíbrio. Do mesmo modo que o bem, isto é, a felicidade do corpo está na saúde, não na doença, não na patologia somática, assim o bem isto é, a felicidade do espírito reside no equilíbrio psicológico, não na patologia interior. Tanto a experiência humana como o bom senso confirmam que existe uma relação essencial entre felicidade e normalidade.

Renan Antônio da Silva: Chefe de Gabinete da Reitoria do Centro Universitário Salesiano de São Paulo (UNISAL). Membro do Comitê de Ética em Pesquisa, da Comissão Institucional de Internacionalização e Comissão Institucional de Pesquisa (UNISAL). É doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", UNESP - Araraquara. Realizou estágio doutoral com bolsa CAPES/PDSE junto ao Centro em Investigação Social (CIS/ISCTE-IUL), em Lisboa/Portugal, na linha temática Gênero, Sexualidades e interseccionalidade (2015-2016). E-mail: lepp@rc.unesp.br

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions