A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

02/12/2011 14:30

Não coloque todos seus ovos numa cesta só

Por Clodoaldo Martins*

Quando o filósofo inglês Francis Bacon escreveu a obra “Ensaio ou Conselhos Civis e Morais”, uma das frases ficou célebre e comum em artigos ou citações, quando abordamos a distribuição de renda: “O dinheiro é como o adubo, não é bom se não for distribuído”. Mas aqui faço um parênteses para fazer uma interpretação diferente da já conhecida: o adubo seriam os investimentos e, investir em apenas um negócio é medida certa para o insucesso. Logo, é preciso diversificar para garantir que o “dinheiro” sempre seja bom, ou seja, para que sempre exista rentabilidade.

A receita de diversificar a produção já é conhecida, mas é preciso se lembrar diariamente dela. Porém, para ter um ou mais negócios é preciso investimento e também projetos de educação para que empresários e lideranças empreguem capital em outras áreas e mantenham seus empreendimentos sempre rendendo. O programa Mais Floresta, implantado em Mato Grosso do Sul, em julho deste ano, tem essa responsabilidade: diversificar a renda e a produção para os produtores rurais e dar as ferramentas para que eles o possam fazer.

Mato Grosso do Sul é conhecido pela pujança da pecuária e pela produção de soja e milho, mas em algumas regiões do Estado apenas uma atividade econômica é desenvolvida por propriedade. São geralmente as produções nas regiões Norte e Leste do Estado, áreas consideradas como oportunidades de investimento na área florestal, conforme o Plano Estadual de Florestas desenvolvido pelo Governo do Estado.

Com uma política clara e com empresas como a Fibria e Eldorado se instalando nessas regiões – isso sem contar a demanda já vigente de madeira para serraria, carvão e lenha -, a produção de eucalipto e seringueira em Mato Grosso do Sul já tem mercado certeiro no Brasil. Hoje a demanda mundial para madeira é de 3,3 bilhões de metros cúbicos por ano e de borracha é de aproximadamente 9 milhões de toneladas. Em 2007, conforme os dados da Reflore-MS, Mato Grosso do Sul plantava aproximadamente 227 mil hectares de florestas. Em 2011, o Estado deve atingir um total de 500 mil hectares, sendo quase exclusivamente de plantio de eucalipto. Para 2030, a expectativa é que MS tenha 1 milhão de hectares plantados.

É bom lembrar que não serão abertas novas áreas. O objetivo é que regiões com pastagens degradadas, com baixa lotação, sejam substituídas por eucalipto e seringueiras. Outra vantagem dessa produção é que, conforme a legislação estadual (Lei 3.628), a recomposição de reserva legal em Mato Grosso do Sul pode sim ser feita com 50% por plantas exóticas. Ou seja, plantar seringueira também conta para a manutenção da reserva legal.

Há que se considerar também, que, ao substituir uma área de pastagem degradada por um cultivo florestal, isso permite que as características químicas e físicas do solo sejam melhoradas, seja pelos tratos culturais para implantação do empreendimento, seja pelo plantio de árvores na área, fazendo a cobertura do solo.

Por outro lado, o produtor rural precisa estar atento quanto as demandas de madeira. A proximidade com as indústrias consumidoras de eucaliptos conta muito para quem quer investir. Se sua propriedade estiver há mais de 150 quilômetros de distancia de seu comprador é preciso observar qual o foco, se for para celulose e a distância é superior a esse raio, há riscos. Existem diferenças também no eucalipto para a produção de celulose, de carvão ou para postes, por exemplo.

Já a produção de borracha tem um mercado bem diferente. As distâncias não dificultam a compra, uma vez que existe uma demanda represada. O Brasil não é auto-suficiente na produção de látex e é obrigado a importar da Ásia 66% do que consome, e esse percentual só tende a subir, impulsionado principalmente pela indústria automobilística.

Atualmente, a estimativa do Senar/MS é que existam em MS, aproximadamente 12 mil hectares de seringueiras. Para 2030, com o incentivo do governo Estadual e do programa Mais Floresta a expectativa é de que até lá mais de 50 mil hectares de seringueiras estejam plantados, classificando MS como o segundo maior produtor nacional de látex, ficando atrás apenas de São Paulo. A produção mundial de borracha é de 8 milhões de toneladas e há um déficit de 1 milhão de toneladas por ano. O principal atrativo é o valor pago pela borracha. Hoje um hectare de seringueira em fase de sangria tem um rendimento bruto mensal de cerca de R$ 1.200,00.

As florestas são e serão um bom negócio, mas como o projeto incentiva a não colocar todos os ovos numa única cesta, exemplos como a produção consorciada são incentivados pelo Mais Floresta. A chave de diversificar é a possibilidade de ganhar com duas ou mais atividades. Durante os workshops apresentado pelo programa nas cidades do interior do MS, os consultores apontam quais as produções podem ser consorciadas. É o caso, por exemplo, do cultivo de madeira associado a pastagem.

A análise financeira da produção silvipastoril demonstra que a renda do produtor pode ser três vezes superior do que com a pecuária tradicional. Se a madeira produzida for para a serraria o ganho do produtor pode ser dez vezes maior.

A diversificação de atividades é uma proposta de viabilização da propriedade rural considerada. É a melhor forma de evitar incertezas e vulnerabilidades de clima, mercado, logística e pragas. A desenvolver na prática o ditato “Não coloque todos seus ovos numa cesta só”.

(*) Clodoaldo Martins é administrador de empresas e superintendente do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso do Sul (Senar/MS).

Desarranjo planetário
Enfrentamos um desarranjo global na gestão pública. Os líderes se afastam da ideia de que são responsáveis por imprimir melhora geral na qualidade hu...
Tudo pelo cliente
Muitas pessoas me perguntam como é o meu dia a dia, como é administrar uma das marcas mais valiosas e admiradas do Brasil. Posso dizer, sem falsa mod...
OMC: a derrota anunciada
Não deixa de ser curioso que, num momento em que a Organização Mundial do Comércio (OMC), com sede em Genebra, é dirigida pelo diplomata brasileiro R...
Os cuidados que os varejistas devem ter com as novas leis trabalhistas
No próximo mês de novembro entrará em vigor as novas regras trabalhistas. Empresas e trabalhadores de diversos setores, entres eles o varejista, prec...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions