A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

19/12/2017 07:14

Natal e Intolerância

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

As pessoas estão aprendendo a tirar proveito umas das outras e a tolerância tende a desaparecer. Sem respeito e consideração mútuos, fica difícil a boa convivência que incentiva o aprimoramento. O atraso de meio século na duplicação da Rodovia Régis Bittencourt, que faz a ligação com a região sul, evidencia a estagnação do Brasil e o descaso dos governantes. As construtoras poderiam ter contribuído decisivamente para o progresso, mas se imiscuíram com o poder, causando muita inveja pelo mundo, e afinal deu no que deu, fizeram planos de lavagem nos grandes estádios e praça olímpica do Rio de Janeiro, mas não ousaram ir além por um país melhor.

Tudo ficou meio abandonado. Os motoristas também perderam a forma sensata de dirigir; agem como loucos, correm pelas estradas mal cuidadas aumentando o perigo e tragédias. O Brasil tem caminhado de forma confusa, retardando o crescimento econômico e seu refinamento. A dispensa de recolhimento sobre a importação de bens para uso pelas petrolíferas deveria considerar se há similar nacional dos bens necessários à exploração do petróleo. Se a isenção é indispensável, porque não estipular uma taxa única de porcentagem reduzida destinada ao desenvolvimento tecnológico?

Os relacionamentos e os negócios estão ocorrendo em função do dinheiro, inclusive a candidatura daqueles que se dizem contrários à cultura financeira que colocou a adoração do dinheiro como o grande bezerro de ouro, acima de tudo o mais. Na turbulência, nada se solidifica, nem as boas ideias, pois sempre há o aspecto financeiro como motivação principal. Sem ganhos e sem acúmulo de poder nada é realizado. O mundo líquido vai se estendendo sobre todas as atividades dos homens voltados somente para negócios e para o faturamento, ampliando a miséria. A falta de sensibilidade tem levado os homens a deixarem de lado as questões fundamentais.

A boa gestão também requer o equacionamento das dívidas e equilíbrio nas contas internas e externas para o país ter autonomia e não ficar sempre dependente de financiamentos. A gestão, para ser boa, tem de buscar a certeza de que as novas gerações serão motivadas a agir com seriedade e sem temores para se esforçarem e superarem os obstáculos, alcançando futuro melhor. Os homens que governaram o Brasil em 1889 lamentavelmente não deram a mínima para a educação das novas gerações.

Os grandes problemas decorrem da falta de preparo. A sociedade inteira tem de compreender isso e juntar esforços para melhorar a educação, atualmente tão contaminada por falsos conceitos. Bons livros podem melhorar a humanidade, mas precisam ser lidos. Ao longo da nossa evolução, levados pela cobiça, em vez de observarmos os mecanismos das leis naturais da Criação, optamos pelo caminho destrutivo do imediatismo, pondo em risco as condições necessárias para a vida.

Esta época de festas de final de ano convida as pessoas a serem elas mesmas, sem estarem interpretando um papel que se pauta por conceitos não internalizados. O Natal deveria trazer luz, amor e alegria aos homens de boa vontade que se esforçam para se aprimorar.

Jesus veio explicar tudo sobre a Criação e o significado da vida por meio de parábolas. Além do “colhereis o que semeares”, pouca coisa restou de seus ensinamentos originais, seja porque não foram compreendidos, ou foram esquecidos ou modificados. Assim, teceu-se um amontoado de incompreensões, discórdias e conflitos. A Mensagem de Jesus procede da Luz e deveria unir os homens em boa convivência na busca da elevação espiritual. Esse foi o grande presente de Natal ofertado pelo Criador. Dois mil anos se passaram, o desvendamento foi ficando cada vez mais impossível face ao adormecimento do espírito. Os seres humanos precisam procurar a Luz e despertar para a vida real. Feliz Natal!

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012...e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin - Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions