A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

01/07/2014 13:51

O corpo diz

Por Eduardo Shinyashiki (*)

Os acontecimentos do dia a dia nos ensinam que o nosso corpo é marcado pela própria história individual e também pela história social, pelos costumes e tradições que foram transmitidos. Expressões, gestos e posturas refletem o nosso posicionamento no mundo de uma maneira muito mais concreta que as palavras.

Um dos primeiros estudiosos que pesquisou a importância da comunicação não verbal foi Darwin em 1872, quando ele afirmou em sua obra que comportamentos e expressões como o sorriso, o choro, a dor, a raiva e o medo, típicos dos seres humanos, são também presentes em outras espécies do reino animal. Por isso, podemos dizer que a linguagem corporal é o mais primitivo sistema de comunicação do ser humano.

Quando falamos com alguém estamos sendo observados de todos os pontos de vista e também observamos o nosso interlocutor. Somos avaliados e avaliamos, mesmo que inconscientemente, não só pelo que se diz com as palavras, mas também pelo que o corpo transmite com o tom de voz e com a linguagem corporal.

No trabalho, por exemplo, seja em reuniões, em entrevistas, em encontros com clientes e fornecedores, precisamos nos observar e analisar com atenção o interlocutor para melhor compreendê-lo nas suas intenções e emoções.

Já um líder precisa estar atento para perceber e compreender quando alguém está motivado ou desmotivado, entusiasmado ou apático, comprometido ou desinteressado, para direcionar e focar ações que concretizem os resultados.

O professor Albert Mehrabian já evidenciou a importância da comunicação não verbal - ou linguagem corporal - em 1967, quando o notório estudioso americano publicou seu estudo sobre a comunicação não verbal, demostrando que só 7% do significado da mensagem no processo de comunicação é transmitido por meio das palavras, que oferecem os conteúdos do discurso, mas que são só uma pequena parte do inteiro diálogo.

A componente não verbal – o tom de voz, o ritmo, as pausas – é responsável por 38% da mensagem e a componente paraverbal, que é a linguagem corporal, ou seja, a postura, o olhar, a mímica facial, os gestos, as expressões do rosto e os movimentos do corpo, são responsáveis pelos 55% da comunicação.

Mas quanto estou consciente da minha linguagem corporal? E por que é tão importante compreender a linguagem não verbal nossa e do outro?

A linguagem corporal transmite elementos adjuntos à comunicação verbal e é mais decisiva, pois é mais sincera e espontânea na transmissão das informações, afinal, expressa pensamentos e emoções de forma mais intensa e verdadeira que as palavras.

Muitas vezes, a empatia é criada pela observação, acompanhamento e valorização dos sinais corporais que o outro envia no processo de comunicação, criando assim o sentimento que o ser humano mais valoriza: sentir-se compreendido e respeitado.

Nossa linguagem corporal, algo complexo e sutil, conta a história pessoal de cada um de nós. Ela se modifica no decorrer da vida, demonstra a evolução e maturidade de cada um, transforma-se dependendo do estado de ânimo, da situação e contexto em que nos encontramos, gerando o grande desafio da comunicação, já que cada pessoa é um universo a ser compreendido em diferentes momentos.

(*) Eduardo Shinyashiki é palestrante, consultor organizacional, especialista em desenvolvimento das Competências de Liderança e Preparação de Equipes. Presidente da Sociedade Cre Ser Treinamentos, Eduardo também é escritor e autor de importantes livros como Transforme seus Sonhos em Vida, da Editora Gente, sua publicação mais recente. www.edushin.com.br.

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions