A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

30/04/2019 07:15

O Morro do Ernesto

Por Heitor Freire (*)

Campo Grande, cidade morena que não me canso de cantar e de exaltar, tem encantos tais que se mesclam no nosso inconsciente coletivo e enriquecem nosso dia-a-dia. São lugares culturais, históricos, geográficos e turísticos.

Estou sempre muito curioso sobre tudo que diz respeito à nossa cidade. Assim, como membro do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul e coordenador ( juntamente com Vera Tylde de Castro Pinto), dos Seminários de Desenvolvimento Institucional (Sedims) promovidos pelo Instituto, escolhemos para a décima quarta edição do evento o tema: Cenários da Serra de Maracajú.

Dentre os temas já abordados pelos Sedims, desde 2006, procuramos, sempre, proporcionar à intelligentsia pensante e ao meio acadêmico e universitário de nossa cidade, assuntos relevantes, históricos e motivadores.

De lá para cá, os assuntos têm sido dos mais variados, desde a Revolução Constitucionalista, passando pela importância das Forças Armadas em nosso estado, até a história da mulher sul-mato-grossense, a chegada da ferrovia e a imigração japonesa, nossas raízes culinárias, a preservação dos biomas e sustentabilidade ambiental, etc. O ponto em comum entre todos esses temas é sempre a valorização da cultura e da memória sul-mato-grossense.

O Sedims 2019 tem sua programação prevista para os dias 28 e 29 de outubro. Mostraremos diversos aspectos da Serra de Maracaju: geografia, meio ambiente, história, sociologia, literatura e inconsciente coletivo.

A apresentação de cada um dos temas ficará a cargo de associados do Instituto e de professores e profissionais de nossa cidade que serão convidados a participar. Com esse tema na cabeça, de repente me vi – literalmente – de frente para o Morro do Ernesto, que faz parte da Serra de Maracaju. Eu vinha me sentindo estimulado e compelido a saber mais sobre ele e, por que não? ir até lá e conhecê-lo ao vivo.

O Morro do Ernesto está a 20 km de Campo Grande, na fazenda Córrego Limpo e sempre é muito visitado por ser um excelente passeio. Ele mede 580 metros de altura, segundo o proprietário da fazenda, Nelson Prioli, e tem proporcionado aos praticantes de parapente a oportunidade de ali praticarem o vôo livre. Inclusive há uma programação para o dia 16 de junho próximo, com a realização do Pantanal Race Morro do Ernesto 2019.

No último sábado, eu e um de meus genros, Haroldo Braga Júnior, fomos ate lá para uma caminhada. Ele foi meu guia e apoiador, e andamos juntos morro acima durante l hora e meia por uma trilha sinuosa, muito acidentada, pedregosa e íngreme até atingirmos o platô que fica no cume do morro.

Lá chegando, além de uma grande alegria pela conquista de ter completado a trilha até o fim, o dia estava perfeito e pudemos aproveitar a vista maravilhosa que só quem chega lá em cima é capaz de ver em toda sua magnitude. Ao entardecer, ainda tem um pôr de sol esplêndido.

A subida ao Morro do Ernesto é uma prática que recomendo a todos que tenham vontade e aptidão física para encarar o desafio. Para mim foi muito recompensador graças à minha condição física mantida com muito suor e afinco na academia Praktika, onde me exercito há mais de cinco anos.

Assim, do alto de meus quase 79 anos, realizei um sonho. O próximo é acompanhar o Haroldo em sua esticada quinzenal de bicicleta a Rochedinho, que fica a 25 km de Campo Grande.

E vamos que vamos. Avante!

Heitor Rodrigues Freire é corretor de imóveis e advogado.

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions