A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

13/02/2017 14:20

O que esperar de 2017?

Por Arthur Schuler da Igreja (*)

"No Brasil, até o passado é incerto". A célebre frase do ex-ministro da fazenda Pedro Malan define o risco em se fazer prognósticos neste momento. Contudo, estou certo de que o leitor concorda que na instável tempestade é melhor contar com uma bússola, mesmo que imprecisa. Vamos aos prognósticos para 2017.

Após passar pela pior recessão da história brasileira (sim, o efeito total é maior do que qualquer coisa que tenhamos passado na década perdida de 1980), estou certo de que o pior já passou. Muitos foram pegos de surpresa no início de 2015, mas a situação macroeconômica já se agravava severamente desde 2014. No início de 2016, o governo colheu o resultado de anos de seu completo desastre: inflação e desemprego acima de dois dígitos, economia encolhendo, necessidade de aumento da taxa de juros e grave crise fiscal.

Atualmente temos inflação controlada e rumando ao centro da meta, menor intervenção cambial pelo Banco Central e a busca pelo equilíbrio fiscal, no âmbito federal pelo menos. Nesta conjuntura, devemos encerrar 2017 com crescimento próximo a 0.5%,

O emprego deve voltar no segundo semestre. Precisamos deste impulso já que muitas famílias têm hoje desempregados e, ou inadimplentes. Segundo levantamento do Fecomercio, o Paraná lidera o ranking de famílias endividadas, com a maior parte comprometidas com cartões de crédito ou de lojas. Não será por novos artificiais estímulos de crédito que teremos uma recuperação sustentável.

No radar, temos o potencial bombástico da delação da Odebrecht, o processo do TSE contra a chapa Dilma-Temer e o avanço da Lava-Jato. Estes temas são muito delicados e a inesperada morte do ministro Teori Zavascki deve trazer alguma lentidão no curto prazo. O governo Temer tem se beneficiado da impopularidade para tocar em feridas doloridas, tais como teto dos gatos, previdência e reforma trabalhista, e tudo isso em um período de meses.

Precisamos ainda da reforma tributária (emergencialmente). Não acredito que haverá tempo hábil e clima para a reforma política. Mesmo que contestado, espero que Temer termine seu mandado e não tenha aspirações de emplacar seu sucessor.

Tudo que o Brasil precisa é de estabilidade e previsibilidade. Acredito que a recuperação já está em andamento, mais lenta do que gostaríamos, mas temos finalmente um norte. Que 2017 e 2018 sejam anos de estabilização e que grandes administradores se postulem à presidência, senado e governo estadual em 2018.

Que a centralização de Brasília cumpra sua função de alegoria representativa na geografia, não o símbolo de um país refém de um governo protagonista e descontrolado. Por fim, este é o cenário disponível, de nada resolve atribuir a ele seus resultados pessoais. Entenda as condições e adapte-se, que 2017 seja incrível, mas ainda depende de você.

(*) Arthur Schuler da Igreja é conselheiro estratégico da SetaDigital e professor da FGV-RJ

ICMS e agrotóxicos: um exemplo de lucidez em meio ao caos
O amplo conjunto de ações impostas em 2019 por governantes brasileiros no sentido de fragilizar a proteção ao meio ambiente não tem paralelo na histó...
Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions