A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017

28/02/2014 10:15

O que ouvir no carnaval?

Por Adriano Gonçalves (*)

Carnaval chegou minha gente e com ele a correria na preparação da fantasia, queimar as gorduras que ainda insistem em permanecer em nossa “área” abdominal, adquirir abadás e literalmente se equipar para curtir o barulho da festa. Sim ou não?

Muitos sins, mas também muitos nãos. Interessante que a cada ano cresce o número de pessoas que fazem uma opção diferente no carnaval, pessoas que escolhem um jeito diferente para viver esta festa “tão brasileira”. Gente que aproveita os bons dias de feriado para ao invés de se “liberar nos barulhos dos trios” entrar no “barulho dos átrios”.

Gente que prefere gastar tempo escutando o que o coração deseja frente à vida, pois afinal de contas, o ano apenas começou e muita coisa já aconteceu. As promessas de fim de ano precisam ser reavaliadas e metas realinhadas. E, por que não gastar estes dias “se escutando”?

A opção que muitas pessoas fazem de tirar uns dias de retiro tem conquistado cada vez mais adeptos. Alguns escolhem retiros que ainda garantem uma alegria de curtição ao bom tempero da sobriedade cristã, outros já se refugiam em mosteiros e lugares mais reclusos que oferecem o barulho do silêncio. Interessante que muitos de nós tão cansados de uma vida barulhenta queremos nestes dias escolher pela calmaria de estar conosco mesmo, dar ouvido ao que rola em nosso coração e ao que nossa alma deseja. E, te garanto, não nos deixa na ressaca do dia seguinte.

Muitos poderão pensar que isto é alienação ou até mesmo fuga do mundo, não é bem por aí não! Pois, entrar dentro de nós mesmos é estar disposto a se lançar na avenida de nossa história, é aprender a dançar na vida de nossa consciência o “samba” que nos pede ginga frente aos desafios de sermos o que somos. É muitas vezes ter que colocar as mãos nos ouvidos ao ouvirmos o barulho de uma vida que levamos e, às vezes, ficamos surdos e incapazes de entender que precisamos ter harmonia entre o compasso do que acreditamos e o que de fato vivemos.

Dias assim nos faz tirar a fantasia que vestimos durante muito tempo, e entender que para o sucesso de uma vida acontecer as máscaras precisam ser lançadas ao chão, pois elas duram momentos e nos tiram a oportunidade do para sempre feliz.

Quem pensa que estes dias de retirada no carnaval não trazem som, música e barulho está enganado. Pelo contrário são momentos certos onde se faz a apuração dos votos de sua vida e nesta hora é preciso apurar bem cada quesito. A Bateria de suas escolhas precisa estar em consonância com seu samba enredo; este precisa ter na letra a riqueza poética de alguém que sabe levar a vida e não deixa a vida simplesmente te levar. É preciso que tenha beleza, bom gosto e adaptação à Melodia que, às vezes, precisa mudar de notas para acompanhar o compasso do coração.

Retiros assim nos colocam frente a outros critérios de análise; frente a nossa performance da vida – a harmonia , ou seja, o entrosamento entre o ritmo da vida e o canto dos lábios que escolhe o como viver, e só assim seremos capazes de viver uma verdadeira Evolução, teremos uma comissão de frente que diz dos valores que temos e assumimos viver, seremos os mestres-salas de nossa história e porta-bandeiras onde traz estampada uma vida autêntica e sem fantasias, cada adereço e alegoria de nossa história fará parte do que temos como essencial para viver.

De fato estes momentos de parada nos colocam na avenida de possibilidades e nos faz cada vez mais eternos aprendizes!
E te deixo a dica: Porque não gastar tempo ouvindo o “samba enredo” de sua vida? Que tal levá-lo a apuração de votos dados por você mesmo?
Se prepare! Há um canto, há uma canção a ouvir!

Tamu junto!

(*) Adriano Gonçalves é missionário, formado em filosofia, acadêmico em psicologia e apresentador do Programa Revolução Jesus na TV Canção Nova. É autor de três livros pela Editora Canção Nova: “Santos de Calça Jeans”, “Nasci pra dar certo!” e “Quero um amor maior”.

Imposto sindical e o fim da sua obrigatoriedade
O “imposto sindical”, assim denominado pela CLT no atual artigo 578, é uma contribuição obrigatória devida por todos aqueles que participarem de uma ...
Baile do desespero e do improviso
Quando começo uma visita hospitalar como palhaço, experimento um puro e sincero estado de desespero. Há 16 anos faço isso com certa frequência e, fel...
Carta aberta ao ministro Joaquim Barbosa
Em nome de milhões de brasileiros e brasileiras insisto na solicitação para que concorra à Presidência da República, em 2018. Precisamos de alguém co...
Qual é a diferença entre preço e valor?
Existe uma grande confusão entre os significados de valor e preço. São duas coisas completamente distintas no mundo das negociações. Quando se fala e...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions