ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 10º

Artigos

Ombros, sempre necessários

Por José Roberto Castilho Piqueira (*) | 19/06/2024 08:30

Minha pilha de leitura aumenta a cada dia. Não consigo ler na mesma velocidade de minha curiosidade, principalmente agora que São Paulo perdeu sua livraria mais tradicional, mas ganhou outras, com ambiente agradável e bons títulos, em meio a uma avalanche de livros de autoajuda e de receitas para o sucesso.

Lembrando que comecei com os Fourier de Walter Benjamim, passei pelas formas da natureza de Darcy Thompson, chego a Umberto Eco, polímata de escrita precisa e textos refinados. Perambulando pelas livrarias, o título Nos ombros dos gigantes convidou-me à leitura.

O livro contém doze textos sobre saberes diversos, criados para o festival La Milanesiana, dirigido por Elisabetta Sgarbi, cineasta italiana. Os temas abordados são variados: ombros de gigantes, beleza, feiura, absoluto-relativo, invisível, segredo e mentira.

Chamou-me a atenção, particularmente, o primeiro, cujo título é o mesmo da obra que me faz lembrar professores de física que atribuem a frase a Sir Isaac Newton, ao enunciar suas três leis da Mecânica Clássica.

A lenda corrente diz que Newton, em um rasgo de modéstia, cunhou a expressão: “Enxerguei longe porque apoiei-me em ombros de gigantes”. Entretanto, ao que parece, havia nessas palavras certo sarcasmo dirigido a Robert Hooke, físico inglês, seu contemporâneo e rival, conhecido pela expressão matemática da força elástica.

Sobre a originalidade da frase, o texto de Eco nos remete às origens do aforismo, muito anteriores aos trabalhos daquele que é considerado o criador da física-matemática, cujos princípios moldaram grande parte do progresso científico e tecnológico atualmente em curso.

Continuando no texto do ilustre filósofo nascido em Alexandria, com importante trajetória acadêmica e literária na Itália, aprendo que o aforismo é atribuído a Bernardo de Chartres, filósofo francês que viveu no século 12. Há, ainda, a conjectura de que possa ter surgido seis séculos antes e atribuído a Priscianus Caesariensis, gramático latino nascido na cidade norte-africana de Cesareia (a moderna Cherchell, na Argélia).

Deixando as questões de modéstia e originalidade de lado, penso no significado da preposição “dos” que pode levar às perguntas: quem são os gigantes? Será necessário realizar uma obra científica de grande notoriedade para ser “ombro” de um próximo pesquisador?

Todos os dias, estudantes de iniciação científica, mestrado e doutorado trabalham nos laboratórios desenvolvendo pesquisas em associação com seus colegas e orientadores. Uns são ombros dos outros. Trabalhos relevantes nascem de colaborações mútuas, hoje facilitadas pelo desenvolvimento das comunicações.

Alguns anos após terminar meu trabalho de doutorado, tive a oportunidade de receber para um programa de pós-doutorado um pesquisador que, na época, estava interessado em estudar modelos matemáticos para sistemas biológicos, tema considerado arrojado para aquele momento. O jovem pesquisador, Luiz Monteiro (Zula), vinha de um trabalho em Física de Plasmas, tinha excelente formação matemática e escrita científica irretocável.

Para o órgão de fomento que atribuiu a bolsa, eu era o supervisor do programa e o Zula, o supervisionado. Entretanto, sempre trabalhamos em colaboração. Com ele aprimorei minha escrita e meus atributos de pesquisador. Ele embrenhou-se nas malhas de sincronismo que eu havia estudado no doutorado.

Revendo meus trabalhos reconheço a grande contribuição recebida e o ombro competente que ajudou no meu desenvolvimento.

Todos reconhecem que Zula é pesquisador de sucesso nas áreas relacionadas à Dinâmica dos Sistemas Complexos e seus livros são verdadeiros clássicos. Posso, então, emprestar o aforismo: fiz alguma pesquisa pois recebi a ajuda dos ombros de um gigante.

Falando em ombros, lembro com saudade de quando minhas filhas eram pequenas e se divertiam penduradas nos meus ombros, achando que eu era um gigante.

(*) José Roberto Castilho Piqueira é professor da Escola Politécnica da USP

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do portal. A publicação tem como propósito estimular o debate e provocar a reflexão sobre os problemas brasileiros.

Nos siga no Google Notícias