ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEGUNDA  15    CAMPO GRANDE 19º

Artigos

Novos ataques aos direitos das pessoas que sofrem violência sexual

Por Heloísa Buarque de Almeida (*) | 18/06/2024 08:30

“Criança não é mãe” é um slogan para tentar enfrentar mais um grande ataque aos direitos humanos no Brasil, aquele que agora quer impedir o acesso ao aborto legal e ainda criminalizar o que hoje é um direito.

Uma criança não deveria ser obrigada a ser mãe. Esse é o ponto.

No dia 12 de junho, o deputado Arthur Lira conseguiu aprovar em manobra rapidíssima o requerimento de urgência para o Projeto de Lei 1904/24, conhecido como PL da Gravidez Infantil. Esse projeto propõe que seja criminalizada a interrupção da gravidez quando acima de 22 semanas, equiparando o procedimento a um homicídio.

Uma gravidez que precisa ser interrompida assim tardiamente refere-se a situações que acontecem especialmente com crianças e adolescentes que foram abusadas, porque podem demorar para entender o resultado do abuso e descobrir a gravidez, já que muitas vezes ainda nem tinham tido sua primeira menstruação.

Elas podem morar longe de hospitais e serviços de saúde, não ter renda nem autonomia para chegar ao serviço de saúde – só cerca de 3% dos municípios têm serviço de aborto legal no sistema público. Destaque: são ainda crianças.

Há uma campanha para reagir a isso, lembrando: criança não é mãe.

O aborto legal no Brasil só é permitido se resultado de estupro, risco de vida para a pessoa gestante — nestes dois casos, a lei é de 1940 — ou se provada anencefalia fetal. Esses casos de gestações mais avançadas normalmente se enquadram nos dois primeiros casos, tanto resultado de estupro quanto risco de vida para a gestante, pois normalmente quem sofre esse tipo de agressão sexual é menor de 14 anos.

Não há limite de tempo prescrito nesses casos para fazer o aborto, mas o que existe é a previsão de que não seja criminalizado. E é isso que esse PL quer reverter, como lembra a ministra da Mulher, Cida Gonçalves.

A maior parte das agressões sexuais no Brasil – entre 70 e 80%, a depender da pesquisa – acontece contra meninas e adolescentes, especialmente cometida por parentes e pessoas conhecidas ou que coabitam, muitas vezes de modo repetitivo ao longo dos anos, aumentando a chance de o abuso levar à gravidez. São crianças que podem ser abusadas por anos a fio e que muitas vezes jamais denunciam, pois o agressor é um parente.

Os dados do Fórum de Segurança Pública revelam que foram registrados no sistema policial em 2022 cerca de 75 mil casos de estupro. Considerando que apenas cerca de 10% dos casos são denunciados à polícia, estima-se um número muito maior desse tipo de crime. São inúmeras as pesquisas no campo da saúde e da segurança pública que apontam que a maioria das vítimas são crianças ou adolescentes menores de 14 anos, consideradas vulneráveis diante da lei. Elas teriam direito ao aborto porque foram estupradas, e também porque levar a termo a gestação as coloca em risco de vida. A gravidez é um risco, e o aborto as protegeria.

Recentemente, outros ataques aos diretos reprodutivos vieram inicialmente de dois lados: a Prefeitura de São Paulo interrompendo os serviços de aborto legal de referência do Hospital Vila Nova Cachoeirinha, e o Conselho Federal de Medicina que baixou uma normativa afirmando que médicos não deveriam fazer abortos em gestações acima de 22 semanas pelo método da assistolia fetal (aquele que é recomendando pela Organização Mundial da Saúde). Essas situações são muito graves, pois o hospital de Vila Nova Cachoeirinha é um dos poucos de referência para esses casos, e um dos raros locais no País que fazia essa interrupção em estágios mais avançados da gravidez. A decisão do prefeito gerou a atuação do Ministério Público obrigando a volta do serviço.

O caso do Conselho de Medicina é ainda mais aterrador. O conselho não só fez uma resolução desastrosa, como perseguiu inclusive profissionais que atuaram dentro da lei para atender jovens que tinham direito ao aborto. O Superior Tribunal Federal suspendeu por liminar a decisão do Conselho Federal de Medicina, exatamente porque ela conflitava com a legislação vigente.

Mas agora um novo ataque a esse direito: um projeto de lei construído por uma bancada conservadora que prevê penas de homicídio para quem fizer esse aborto tardio. O projeto ignora completamente quais são as situações reais em que isso acontece. Os defensores da família e dos costumes estão atacando, novamente, o direito das meninas e adolescentes em situação de vulnerabilidade, a maior parte delas, meninas negras.

Fico pensando: por que será que a vida de um feto vale sempre mais que a vida de uma criança pobre para políticos conservadores? São as pessoas mais pobres, negras e vulneráveis, e que por vezes demoram a ter acesso ao serviço de saúde, que serão efetivamente afetadas por esse imenso retrocesso.

O Brasil é reconhecidamente um país machista e desigual. As desigualdades de gênero e raça são visíveis e notáveis. A violência contra mulheres e pessoas que gestam pode ser promovida inclusive por órgãos que deveriam cumprir a lei ou legislar em nome de avanços importantes no campo dos Direitos Humanos, mas invertem os sentidos.

Tais políticos conservadores apelam à ideia de defesa da vida para atacar os direitos das pessoas mais vulneráveis. Parece que essa votação sumária, sem contagem de votos e de modo sub-reptício, foi feita para que Arthur Lira mostre seu poder e o poder de um congresso conservador.

Novamente, vamos depender do STF e de outros órgãos do Judiciário para tentar barrar esse descalabro, mas com muito temor de só vermos retrocesso.

Fico pensando: quais são as vidas que contam?

(*) Heloísa Buarque de Almeida é professora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do portal. A publicação tem como propósito estimular o debate e provocar a reflexão sobre os problemas brasileiros.

Nos siga no Google Notícias