A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

28/12/2013 19:02

Os herdeiros de Cain e o conflito indígena!

Valfrido M. Chaves (*)

O desinteresse dos governos Dilma-Lula em solucionar o conflito entre a expansão de aldeias e propriedades legítimas fica mais uma vez exposto. E vem somar-se ao costumeiro “empurrar com a barriga” do Ministro da Justiça, que não honra seus compromissos assumidos com índios e não índios, face ao conflito de interesses entre as partes. A matéria veiculada no Correio de 26/12/014, “MF recupera 20 milhões para indenizar fazendeiros” expõe o descaso do governo central em solucionar um conflito criado pelo próprio pelo Estado brasileiro, o qual parece ter interesse em sua continuidade.

Mesmo com disponibilidade de recursos no orçamento da União, tais recursos se perderiam face ao encerramento do exercício financeiro e a imobilidade do governo. Isso obrigou o MPF, dentro de suas prerrogativas, promover o bloqueio da verba para o cumprimento de sua finalidade definida, ou seja, indenização de propriedades legítimas, em Japorã. Oportunamente, o editorial do Correio "Fim do conflito é só promessas", aos 27/12/2013, adequadamente ainda denuncia: "tudo continua na estaca zero".

Um Estado que financia um bilhão para porto em Cuba; que tem verbas secretas milionárias para Cuba e Angola; financia obras bilionárias na Venezuela; perdoa milhões de dívidas de países africanos e não tem dinheiro para resolver uma guerra entre brasileiros, conflito que ele próprio criou, não é uma piada de mau gosto, é um crime contra a unidade do povo brasileiro. Além de não resolver essa guerra, assiste de braços cruzados entidades e recursos tanto externos como estatais, se dedicarem a manipulações promotoras de ódios entre as partes, até para impedir que elas se unam para exigir, da União e deste governo, que cumpra suas obrigações na promoção da justiça para todos e na preservação da unidade nacional.

Tais fatos são concretos, objetivos, estão na nossa cara. Nem a tal dialética marxista-leninista que norteia a política indigenista, e que se julga Mandrake na distorção dos fatos, tem como desmentí-los. O MPF, apesar de sua postura adequada e digna neste momento, também não pode eximir-se de sua responsabilidade na promoção do conflito.

Nas aldeias de Taunais, a invasão da Fazenda Esperança, fundada 20 anos antes da reserva indígena local, é nomeada pelos índios como “Retomada”. Tal conceito apócrifo e herético para nossas Constituição e leis, foi lançado aqui em nossa Assembleia, por membro do MPF, há dez anos passados e uma semana antes da primeira invasão de Japorã. Parece haver uma confusão entre "proteção ao índio" e apaniguar crimes praticados por índios. Nem vale a pena lembra ainda, leitor, do apoio explícito das entidades político-ideológicas companheiras, às violações de direitos com as quais se semeia o ódio e a insegurança jurídica em nosso MS. São herdeiros de Cain, são escravos da inveja e do ódio.

Portanto, “tudo se relaciona”, do descaso governamental aos financiamentos e manipulações para o cumprimento de um roteiro ideológico contra a unidade da Nação e da paz entre brasileiros. Quem nega os fatos e não vê a lógica que os norteia?

(*) Valfrido M. Chaves é Psicanalista, Pós Graduado em Política e Estratégia-Adesg/UCDB

Desarranjo planetário
Enfrentamos um desarranjo global na gestão pública. Os líderes se afastam da ideia de que são responsáveis por imprimir melhora geral na qualidade hu...
Tudo pelo cliente
Muitas pessoas me perguntam como é o meu dia a dia, como é administrar uma das marcas mais valiosas e admiradas do Brasil. Posso dizer, sem falsa mod...
OMC: a derrota anunciada
Não deixa de ser curioso que, num momento em que a Organização Mundial do Comércio (OMC), com sede em Genebra, é dirigida pelo diplomata brasileiro R...
Os cuidados que os varejistas devem ter com as novas leis trabalhistas
No próximo mês de novembro entrará em vigor as novas regras trabalhistas. Empresas e trabalhadores de diversos setores, entres eles o varejista, prec...



"O Comunismo não é fraternidade: é a invasão do ódio entre as classes.Não é a reconciliação dos homens: é a sua exterminação mútua.Não arvora a bandeira do Evangelho: bane Deus das almas e das reivindicações populares.Não dá tréguas à ordem.Não conhece a liberdade cristã.Dissolveria a sociedade.Extinguiria a religião.Desumanaria a humanidade.
Everteria,subverteria,inverteria a obra do Criador."(Rui Barbosa)
 
gladis alaia em 29/12/2013 05:12:39
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions