A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

06/04/2018 13:42

Pagamento sem contato: um mercado em transformação para gerar mais conveniência

Por Maria Juliana do Prado Barbosa (*)

O mercado de meios de pagamento está aquecido e promete uma série de transformações nos próximos anos, impulsionado pelos dispositivos conectados que devem chegar, segundo o Gartner, a 20 bilhões até 2020. Neste cenário de oportunidades, as tecnologias sem contato (contactless) devem crescer para oferecer mais conveniência, segurança e agilidade nas transações.

Atualmente, encontramos cartões com NFC (Near Field Communication), tecnologia que permite a troca de informações entre dispositivos sem a necessidade de cabos ou fios, apenas com a aproximação física, o que torna a compra muito mais rápida, além de acabar com as filas nos pontos de venda.

A gigante Apple lançou essa semana, no Brasil, seu serviço de pagamento, o Apple Pay. O País é o primeiro na América Latina e o 21º no mundo a receber a funcionalidade lançada há três anos nos Estados Unidos. Com o Apple Pay, o consumidor pode realizar pagamentos no varejo físico usando o celular ou o Apple Watch no lugar do cartão. Pode-se, também, pagar compras em lojas e aplicativos, nos moldes de carteiras virtuais como PayPal e PagSeguro.

Com o aumento dos terminais sem contato, dispositivos móveis e roupas inteligentes poderão ser utilizados, cada vez mais, como meios de pagamento, o que certamente provocará uma revolução no varejo, que precisa se adaptar a essa nova forma de se relacionar com o cliente final.

Hoje, algumas redes que trabalham com o modelo de venda direta já realizam parcerias com as empresas de pagamento. Para os lojistas de pequeno e médio porte, as fintechs estão fornecendo soluções independentes e mais econômicas para simplificar e integrar processos de ponta a ponta. Nos Estados Unidos, a expectativa de algumas consultorias é de que mais da metade das empresas aceitarão meios de pagamento sem contato até o final deste ano.

Outro setor que tende a se beneficiar com as soluções contactless é o transporte público. A Visa, por exemplo, pretende lançar no Brasil, ainda este ano, o sistema que permite pagar as passagens com cartão de crédito, débito e até com celular. Conhecida como Mass Transport Transaction (MTT), a tecnologia consiste em colocar chips nos leitores de bilhetes de ônibus, metrôs e trens para que os cartões Visa também sejam aceitos. A leitura dos dados é realizada simplesmente com a aproximação. Em operação no metrô de Londres desde 2014, o pagamento sem contato já superou a utilização do cartão de transporte local, segundo a empresa.

A Mastercard também oferece este tipo de tecnologia implementada, no final do ano passado, em frotas inteiras de Jundiaí (SP), considerada a primeira cidade a oferecer esse meio de pagamento em todos os ônibus da cidade. A parceria permite que os usuários dos transportes públicos utilizem os cartões Mastercard sem contato e carteiras digitais de celulares para pagarem suas passagens diariamente nas catracas.

A transformação digital tão presente neste área de meios de pagamento coloca o setor num momento privilegiado, em que soluções contactless tendem a ocupar um espaço de destaque, além de incentivar o surgimento de novas tecnologias para complementar este ecossistema dinâmico de inovação. As transações digitais vieram para ficar e impulsionar as relações de compra e venda de uma forma mais amigável e transparente.

(*) Maria Juliana do Prado Barbosa, diretora da Cards Future Payment, uma das principais feiras do setor, que será realizada nos dias 15 e 16 de maio, no Transamérica Expo Center, em São Paulo.

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions