A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 22 de Junho de 2018

23/01/2014 08:29

Polícia Federal exige uso de radiocomunicação em transportes de valores

Por Adriano Fachini (*)

Em decisão acertada, a Diretoria Executiva do Departamento de Polícia Federal, voltou a exigir para o serviço de transporte de valores, a utilização de equipamentos de radiocomunicação como meio principal de comunicação entre veículo e filial.

Ademais, segundo a UIT - União Internacional de Telecomunicações, agência da ONU especializada em telecomunicações, a radiocomunicação é a ferramenta de comunicação mais eficaz no combate a situações de emergência e catástrofes em geral.

Dentre as principais tarefas da UIT está a organização, debate e estudos sobre o desenvolvimento do setor de telecomunicações em âmbito mundial. Para tanto, todos os países signatários da ONU (192 nações) participam enviando delegações, além dos principais fabricantes de produtos e operadoras de telecomunicações de todo o mundo.

Há na UIT grupos de estudos específicos dos diversos tipos de ferramentas de telecomunicações hoje disponíveis no mercado. Após avaliar todas as tecnologias existentes atualmente, a agência conclui que o meio de comunicação mais confiável é a radiocomunicação.

Dentre as principais características desse serviço a mais relevante de todas é o fato de ser instantânea. Simplesmente aperta-se um botão e transmite-se a mensagem, em tempo real. Não precisa discar, digitar sequências de números ou letras, nem depende de torres, que numa emergência podem não funcionar - caso da telefonia móvel, por exemplo.

O despacho consta na PORTARIA No 30.491/2013 - GAB/CGCSP, que pode ser lida na íntegra no site da Aerbras. Segundo parecer do próprio órgão, a decisão fulcra-se em aspectos práticos e científicos apontados por especialistas que entenderam que a radiocomunicação é o único meio de garantir comunicações instantâneas, especialmente nas chamadas ponto a ponto.

Tais chamadas são necessárias no momento mais crítico da operação, em que a guarnição de dois ou três vigilantes deixam o carro forte e se encaminham até o caixa 24 horas para seu abastecimento. Muitos desses locais, como shopping centers e hipermercados, não possuem cobertura do serviço de telefonia móvel satisfatória e vinha sendo utilizado como comunicação principal, fato que causou a morte de muitos vigilantes em situações como essa por falta de comunicação.

Nesse momento não pode haver falhas nas comunicações entre vigilantes e carro-forte e entre carro-forte e escritório da empresa de transporte de valores. Dados de 2013 apontam um aumento nos roubos ao setor no país. No estado de São Paulo, subiram 250% no ano de 2102 em relação a 2011. O serviço móvel privativo, comumente chamado de serviço de telefonia celular, poderá ser utilizado como subsidiário ou complemento de comunicação em outros casos que não sejam de missão crítica.

(*) Adriano Fachini é empresário do setor de telecomunicações e presidente da Aerbras - Associação das Empresas de Radiocomunicação do Brasil.

 

O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...
Servidor público da Previdência Social
Os servidores da Previdência Social, em especial aqueles que trabalham no INSS, estão totalmente sem norte, em virtude das mudanças políticas promovi...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions