A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Outubro de 2019

26/09/2013 09:13

Por que devemos ser contra a censura das biografias

Por Luiz Flávio Gomes (*)

Divulgou-se ontem (25/9/13) nos jornais um manifesto contra a censura da publicação das biografias de personalidades públicas. Eu subscrevo o manifesto. O art. 20 do Código Civil (que proíbe a publicação de biografias) é uma dessas coisas retrógradas que fazem parte do Brasil que deu errado. Fruto da cultura da personalidade, que é marca registrada dos povos ibéricos (Espanha e Portugal) (veja S. B. de Holanda, Raízes do Brasil, p. 32). Nós nos julgamos autônomos em relação aos nossos semelhantes. Autônomos e superiores, intocáveis. Sobranceiros (arrogantes, orgulhosos).

Nós nos vemos como autossuficientes. Odiamos depender dos demais e precisamente por isso nem sequer queremos que os outros saibam algo de relevância pública sobre nossa pessoa. É como se cada qual fosse filho de si mesmo, que tivesse vindo ao mundo e passado por esse mundo com suas virtudes, sem a companhia de ninguém mais. Puro estoicismo.

A consequência mais nefasta da “sobranceria” (arrogância) que herdamos dos espanhóis e portugueses é a fraqueza das instituições e das formas de organização social. Somos personalistas, individualistas. Gostamos de nos isolar dos demais, dos nossos deveres com as cidades, com a cidadania geral. O personalismo separa as pessoas, em lugar de uni-las. O mundo todo hoje civilizado busca a construção de uma nova ética, fundada no respeito a todos os demais seres humanos, à natureza, aos animais e ao bom uso das tecnologias. Na contramão de tudo que existe de civilizado, nossas leis proíbem a publicação de biografias de pessoas públicas. Aqui deve preponderar a liberdade de expressão, cada um se responsabilizando pelos excessos e pelas mentiras que, quando ocorrem, devem ser sancionadas com altíssimas indenizações (pelos autores e pelas editoras).

O direito vigente, nesse ponto, tem que ser modificado urgentemente, e somos nós mesmos que temos que nos esforçar no sentido da mudança, porque “em terra onde todos são barões não é possível acordo coletivo durável, a não ser por uma força exterior respeitável e temida” (S. B. de Holanda, Raízes do Brasil, p. 32). Que cada um possa escrever o que queira, desde que assuma em seguida a responsabilidade (civil e penal) pelo que foi escrito.

O tempo das censuras acabou, no ordenamento jurídico-constitucional. Mas isso não significa o fim do direito à privacidade, intimidade, fama, boa reputação etc. A proibição da publicação de uma obra histórica e cultural tem o mesmo significado que queimar novamente e imbecilmente a Biblioteca de Alexandria. Nós promovemos no portal atualidadesdodireito (em 27.05.13) um debate (já está disponível) sobre “Direito autoral: a reserva do conhecimento dos fatos”, tendo como foco a polêmica criada por Roberto Carlos e sua equipe jurídica, em torno do livro “Jovem Guarda: Moda, música e juventude”, de M. Zimmermann. Veja lá! Avante!

(*) Luiz Flávio Gomes, jurista e coeditor do portal atualidades do direito.com.br. Estou no facebook.com/blogdolfg

Os indevidos bloqueios de pontos dos programas de fidelidade
A justiça brasileira tem recebido diversas demandas que visam obstar a limitação de negociações de pontos, especialmente direcionadas às companhias a...
Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...


Excelente texto, Luiz Flávio! E uma aula, à parte, de sociologia, obrigado! Já vi algumas entrevistas com o autor da biografia do “rei”. Penso, sinceramente, que Roberto Carlos suas superstições bobas e infantis prestam um desserviço enorme à nossa cultura e ao direito ao conhecimento da história, pelo seu povo! É uma pena que uma questão pessoal, caprichosa dele, influencie num direito de uma maioria! E uma pena mais ainda que uma discussão revelante dessas, não seja recepcionada pela mídia, como deveria!
 
raimundo edmário guimarães galvão em 27/09/2013 10:35:02
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions