A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 22 de Junho de 2018

21/08/2012 16:57

Por um país mais conectado

Luiz Gonzaga Bertelli*

Enquanto o Brasil disputa com a Inglaterra o posto de sexta maior economia mundial, ainda há um déficit grande no tocante à inclusão digital. Segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas (FGV), realizada em parceria com a Fundação Telefônica Vivo, o Brasil está na 72.ª posição no ranking mundial da inclusão digital, que mede o acesso a telefone celular, telefone fixo, computador e internet em casa. Apesar da colocação incômoda, com apenas 51,2% da população conectada, o país está um pouco acima da média mundial, que é de 49,1%. As nações com as melhores médias são: Suécia (95,8%), Islândia (95,5%), Singapura (95,5%) e Nova Zelândia (93.5%).

No entanto, existem ilhas de exceção no país. As capitais brasileiras com maior inclusão são Florianópolis (77%), Vitória (76,6%) e Curitiba (75,8). A cidade de São Paulo tem uma média de 71,7%. Já entre os municípios mais conectados, São Caetano do Sul lidera o país com 82,6%. Mas os índices de estados como Maranhão, Piauí, Pará e Roraima diminuem sensivelmente as estatísticas nacional. Em cidades como Fernando Falcão/MA, Chaves/PA e Uiramutã/RR, o índice não passa de 5% da população com conexão.

Na realidade, esses números mostram a existência de “dois brasis” e suas dificuldades históricas para promover uma melhor distribuição de renda e para contemplar as regiões carentes com índices de desenvolvimentos mais razoáveis. A pesquisa da FGV reflete o que o povo brasileiro está cansado de saber: que o Norte e o Nordeste necessitam de uma maior infraestrutura e de mais investimentos em educação de qualidade e tecnologia. Já está mais do que na hora de o poder público pensar na democratização do ensino, e criar pólos de pesquisa e tecnologia nas áreas mais distantes, como é feito nos Estados Unidos e outros países. Os índices de inclusão digital, na verdade, mostram a necessidade de melhorar as condições de vida da população por meio da tecnologia. Não basta apenas dar um computador e alfabetizar as pessoas para manuseá-lo, mas melhorar as condições sociais para que mais e mais possam ter acesso a esses equipamentos, melhorando a qualidade de vida, preparando-se para o mundo do trabalho e elevando o índice de desenvolvimento humano em áreas historicamente relegadas ao esquecimento.

(*)Luiz Gonzaga Bertelli é presidente Executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...
Servidor público da Previdência Social
Os servidores da Previdência Social, em especial aqueles que trabalham no INSS, estão totalmente sem norte, em virtude das mudanças políticas promovi...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions