A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Março de 2017

05/02/2013 13:30

Quando os jovens universitários se divertem....

Por Rosana de Castro (*)

Por dez anos, tive a responsabilidade de viabilizar eventos artísticos, esportivos e de lazer para a comunidade interna da UnB. Esses eventos, em sua grande maioria, tinham como público-alvo os jovens estudantes da nossa universidade e ainda muitos outros, membros da comunidade externa.

Chegamos, eu e a equipe da Diretoria de Esporte, Arte e Cultura (DEA/DAC), a reunir mais de 5 mil jovens em eventos de grande porte. A nossa preocupação com itens de segurança era enorme! Nenhum evento podia ser realizado sem o suporte de seguranças, brigadistas, ambulância, enfermeiro, extintores em pleno funcionamento, emissão de alvará eventual de eventos (que inclui a autorização do Corpo de Bombeiros) , entre outros itens de segurança.

Elaborávamos ainda a rota da ambulância e mantínhamos sempre um possível caminho de fuga para esse veículo, de modo que a sua saída fosse sempre rápida e facilitada.

O nosso pensamento, meu e da equipe da DEA/DAC, era o de que aqueles jovens estavam no local apenas para diversão. Não estavam preocupados com as estratégias de segurança do local. E, por isso mesmo, nunca abrimos mão de cuidar das suas vidas. Eu, como mãe, me lembrava dos pais que ficavam em casa e gostariam de ver os seus filhos voltarem.

Muitas foram as vezes que vi o sol nascer no horizonte do Lago Norte. Em frente ao Centro Comunitário, ligava o meu carro para ir embora com o dia amanhecendo. Costumava acompanhar todos os eventos pessoalmente. Só ia embora quando já não havia, no local, nenhum jovem, nenhuma vida que durante 4 ou 5 horas de diversão, de uma forma ou de outra, estavam sob a minha responsabilidade e da equipe da DEA/DAC.

Os jovens querem e devem se divertir! A nós, que nos disponibilizamos a proporcionar essa diversão, cabe toda a responsabilidade de viabilizar meios seguros para que eles se divirtam! Produzir eventos não é tarefa fácil. Sem dúvida, é uma tarefa que deve estar na mão de profissionais sérios e, principalmente, atentos às vidas que recebem em seus eventos, muito mais do que com as cifras que eles geram.

Meus mais profundos sentimentos de solidariedade para com as mães e pais que perderam seus queridos filhos e filhas na tragédia da boate Kiss em Santa Maria.

(*) Rosana de Castro é professora no Departamento de Artes Visuais e ex-diretora de Esporte, Arte e Cultura da DAC/UnB

 

O que muda com a nova Lei da Terceirização aprovada pela Câmara
Quarta-feira passada a Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que regula a terceirização, a principal alteração trazida pelo PL 4330/04 é a po...
Eis que eu renovo todas as coisas ...
Neste início do outono, a estação mais bonita do ano para mim, aquela que considero “a minha estação”, há uma característica metafísica que a torna d...
Operação Carne Fraca: consequências
Passados alguns dias da deflagração da Operação Carne Fraca, a maior da Polícia Federal na sua história, é possível fazer uma análise preliminar de s...
Terceirização tira um dos obstáculos ao desenvolvimento do Brasil
A aprovação do projeto que regulamenta a terceirização é uma excelente notícia para o país. Ao mesmo tempo em que é decisiva para dar segurança juríd...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions