A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 29 de Maio de 2017

25/11/2016 14:44

Quem paga a conta das emissões?

Por José Luiz Tejon Megido (*)

O ministro Blairo Maggi colocou água na Conferência do Clima da ONU afirmando que o setor da agricultura não vai conseguir cumprir as metas da redução de emissão de gases do efeito estufa, pois não teremos dinheiro para isso.

Eu diria, até que enfim uma voz corajosa no Brasil diz o que o setor agropecuário não teve coragem para dizer. Afinal, quem vai pagar a conta das promessas do governo anterior com relação ao meio ambiente, não pode ser apenas a agricultura.

Isso não significa que o Brasil não deva ter as metas objetivadas e cumpridas. O que não pode é imaginar que isso seja feito exclusivamente nas costas dos produtores rurais.

E volto a explicar, quando escutamos a palavra agronegócio, não estamos falando apenas da agricultura e da pecuária, o dentro da porteira produtiva. Quando falamos em agronegócio, estamos traduzindo o agribusiness, estudo iniciado em Harvard nos EUA, que significa as cadeias produtivas.

Então, simplificando: supermercado é agronegócio, alimento industrializado é agronegócio, caminhão que transporta é agronegócio, posto de etanol é agronegócio, restaurante, sementes, tratores, vacinas, bancos, roupas, bolsas, cosméticos, tudo é agronegócio.

E, nos estudos feitos sobre o impacto na sustentabilidade ao longo de toda a cadeia produtiva, a fazenda e o produtor rural significam apenas cerca de 20% no montante. Os demais 80% são representados desde as minas para extração de minerais, transporte, agroindústria, varejo, o que inclui o desperdício do consumidor, nas casas, feiras e fast foods.

Portanto, voltando ao início da discussão, o Ministro Blairo Maggi está correto em seu argumento. Ele disse, "reduzir emissões não é obrigação da agricultura, não queiram pendurar essa conta no setor agrícola sozinho".

Eu apenas consideraria que também é dever da agricultura, mas inimaginável pendurar essa conta apenas nas costas dos produtores rurais. Blairo Maggi nessa tem toda razão.

(*) José Luiz Tejon Megido é conselheiro fiscal do CCAS (Conselho Científico Agro Sustentável), dirige o Núcleo de Agronegócio da ESPM

Como financiar a gratuidade de nossas universidades?
Quando falamos em financiamento do estado três questões devem ser respondidas ao mesmo tempo: quem irá contribuir, com quanto e como esses recursos t...
Porto Canuto: ponto final ou início de uma história!
A vida não é uma mera sucessão de fatos e acontecimentos. Rememorei a “Retirada da Laguna” e comparei com os nossos problemas atuais. A coluna brasil...
Previdência Social é direito, não mercadoria
Em 13 de maio de 2016, um conhecido me disse que, já antes de 1888, os escravos no Brasil podiam ser livres: era somente comprarem sua alforria. Come...
Aonde vamos em uma administração
Apesar da proposta do Programa de Metas ser construída por uma gestão e indicar os projetos e propostas que ela propõe implantar neste mandato, exist...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions