A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 22 de Junho de 2018

07/07/2013 10:00

Royalties do petróleo do pré-sal para a educação e a saúde

Por André Figueiredo (*)

“A Câmara deverá dar a palavra final sobre a matéria na próxima semana. Faremos o possível para que prevaleça o substitutivo aprovado pelos deputados em junho”.

Está sendo discutida no Congresso Nacional a proposta que destina para a educação e a saúde os royalties da exploração do petróleo da camada pré-sal. Tive o privilégio de ser o relator da comissão especial que analisou a matéria na Câmara dos Deputados, e nessa condição apresentei um substitutivo que alterou o projeto de lei enviado pelo Poder Executivo. Convém esclarecer qual era a proposta original e quais foram as alterações introduzidas pelo substitutivo, aprovado na Câmara em 26 de junho.

O projeto do governo destinava à educação os royalties referentes aos poços que tivessem o contrato de exploração assinado a partir de 3 de dezembro de 2012. Por conta do longo intervalo entre a assinatura do contrato e o início da produção de um poço de petróleo, praticamente não haveria recursos de royalties para a educação em um período de dez anos. Por isso, no substitutivo previ a aplicação das novas regras com relação aos poços que comecem a produzir comercialmente a partir daquela data. Isso inclui poços licitados há dez anos ou mais, e que em breve entrarão em operação comercial.

Além disso, de acordo com o projeto original a educação receberia 50% “dos recursos resultantes do retorno sobre o capital do Fundo Social”, ou seja, dos rendimentos desse fundo, o que pouco representaria. Esse ponto também foi alterado no substitutivo, que passou a contemplar 50% “dos recursos do Fundo Social”. A título de esclarecimento, esse fundo foi criado em 2010 para aplicar recursos obtidos pela União com a exploração do pré-sal em ações de desenvolvimento social e regional.

Em termos práticos, estima-se que o projeto original destinaria um total de 25 bilhões de reais para a educação em um período de dez anos, o que corresponde a menos de 0,6 do PIB brasileiro em um único ano e é insuficiente para determinar uma mudança de rumos na educação. O substitutivo elevou os recursos a R$ 295 bilhões, o que tornou possível atender também a área da saúde, contemplada com 25% desse montante.

Registre-se o equívoco de notícias segundo as quais a Câmara teria tão somente reduzido de 100% para 75% os recursos do pré-sal destinados à educação. Mesmo sem entrar na discussão sobre a importância de novas receitas para uma área com tantas carências como a saúde, é evidente que esses 75% calculados sobre R$ 295 bilhões de reais (cerca de R$ 221 bilhões) representam muito mais do que 100% de R$ 25 bilhões.

O substitutivo da Câmara foi apreciado na última terça-feira pelo Senado, que o aprovou com modificações. Conforme as regras do processo legislativo, isso determina o retorno da matéria à casa de origem. Segundo análise preliminar, com aquelas modificações os valores em questão passariam para algo em torno de R$ 90 bilhões (sempre nos próximos dez anos), dos quais R$ 9 bilhões seriam destinados à saúde.

Houve, portanto, uma redução sensível com relação aos valores previstos no texto da Câmara, sob o argumento de que sem isso a questão acabaria sendo resolvida no âmbito do Poder Judiciário. A objeção não se sustenta, porém, uma vez que meu substitutivo em nada modifica ou afeta os contratos de concessão de exploração de petróleo já celebrados. O que ele faz é “carimbar” os recursos recebidos pela União em decorrência desses contratos, de modo a assegurar seu direcionamento à educação e à saúde.

A Câmara deverá dar a palavra final sobre a matéria na próxima semana. Faremos o possível para que prevaleça o substitutivo aprovado pelos deputados em junho, a fim de garantir que, em um futuro bastante próximo, os royalties do petróleo do pré-sal se convertam em melhorias concretas para a saúde pública e promovam o salto qualitativo de que tanto necessita a educação brasileira.

(*) André Figueiredo é deputado pelo Ceará e líder do PDT na Câmara.

O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...
Servidor público da Previdência Social
Os servidores da Previdência Social, em especial aqueles que trabalham no INSS, estão totalmente sem norte, em virtude das mudanças políticas promovi...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions