A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 22 de Maio de 2017

10/09/2013 09:30

Royalty do petróleo: a primeira conquista do “Gigante Despertado”

Por Custodio Pereira (*)

A lei sancionada nessa segunda-feira (09/09) pela presidente Dilma Rousseff, destinando o royalty futuro do petróleo à saúde e à educação, é o primeiro resultado concreto das manifestações que ocorrem no País. Com isso, as imensas reservas de petróleo a serem prospectadas a partir de agora no Brasil, embora esgotem-se um dia, terão impacto perene sobre o desenvolvimento, pois não há investimento mais importante do que no ensino, base para todos os avanços, inclusive na saúde. Não há maior patrimônio para uma nação do que a boa formação educacional e acadêmica de seu povo. Hoje, por ainda não termos democratizado a qualidade do ensino básico gratuito e o acesso a boas universidades, estamos pagando um alto preço, na forma do chamado apagão profissional, com a carência de recursos humanos qualificados em várias áreas, para fazer frente à expansão de nossa economia.

É fundamental, portanto, que o Brasil saiba utilizar com eficácia e inteligência o vultoso montante financeiro que passará a contemplar a educação. Nesse sentido, uma das prioridades é a solução do maior problema do setor: a falta de incentivo aos professores, especialmente da Educação Básica, constituída pelo Ensino Fundamental e o Médio. Os seus salários, na média da realidade nacional, não são adequados. Ademais, lhes faltam capacitação permanente e a respectiva avaliação periódica. Todos esses fatores têm impacto negativo na qualidade da educação ministrada às nossas crianças e jovens.

Por isso, o Brasil está muito aquém dos índices razoáveis de aproveitamento, como se pode observar numa síntese dos problemas que enfrentamos nesse campo tão decisivo: ocupamos o 53º lugar, num universo de 65 países listados pelo Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA), da 7ª série em diante, coordenado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE); apesar das políticas públicas que incentivaram a matrícula de 98% de crianças entre 6 e 12 anos, mais de 700 mil ainda estão fora da escola (IBGE); o analfabetismo pleno, mais o funcional, atinge cerca de 30% da população com mais de 15 anos; 34% dos alunos que chegam ao 5º ano de escolarização não conseguem ler e 20% dos jovens que concluem o Ensino Fundamental e que moram nas grandes cidades não dominam a leitura e a escrita (fonte: Movimento Todos pela Educação); e elevado número de jovens fora do Ensino Superior.

Não podemos perder a oportunidade histórica de solucionar definitivamente essas questões graves, que se constituem em dos indicadores que nos separam das nações desenvolvidas. Se fizermos isso com sucesso e bons resultados, o nosso petróleo, mesmo depois de esgotado, será eterno, pois se constituirá no combustível do conhecimento. Esse avanço evidencia que as reivindicações populares têm resultados nas democracias. Por isso mesmo, é preciso repudiar a violência, os saques e a baderna, crimes que apenas prejudicam a mobilização cívica da sociedade.

*Custodio Pereira é o diretor geral da Associação Santa Marcelina, mantenedora dos Colégios e da Faculdade Santa Marcelina (FASM) e da FAFISM.

Admirável (ou Abominável) Mundo Novo
Volto a escrever sobre a Previdência. Não me move o oportunismo de aproveitar o mau momento do governo que promove reformas tidas e havidas como rede...
A questão ambiental nas empresas
A questão ambiental há algum tempo tem emergido como uma questão importante na gestão das empresas e os benefícios estratégicos da preservação ambien...
O fim da escola sem fim
As raízes mais remotas da escola, tal como nós a conhecemos hoje, estão depositadas na Grécia Antiga, especialmente referenciadas, ao redor do século...
Finanças em ordem
Apesar do alto índice de desemprego, grande parte das empresas sente dificuldade em contratar profissionais qualificados para atuar na área de finanç...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions